Em entrevista, o ator, diretor e adaptador Miguel Falabella fala de seu musical, Annie, de sua liberdade com a produção e como ela mudou sua forma de ver o teatro.

Depois de tantos musicais em sua carreira, como você classifica Annie?

MF – É um musical complexo, com arranjos grandiosos e vocalmente difícil. Mas, como o projeto vem sendo construído desde 2015, tive tempo para cuidar de detalhes na tradução, especialmente da canção mais conhecida, Tomorrow.

Você tem uma forte ligação com esse musical, não?

MF – Muito forte, pois foi o primeiro musical adulto que assisti. Foi em Londres, em 1979. Uma nova forma de se fazer teatro se abriu para mim.

Nessa montagem, porém, você não terá a liberdade habitual.

MF – É, sempre prefiro ambientar as histórias na nossa realidade. Em Homem de La Mancha, trouxe a trama para um hospício inspirado em Bispo do Rosário. Aqui, não pude nem adaptar nomes – só o papel de Ingrid será Dona Hannigan e não Miss Hannigan… Mas, se no começo desanimei, logo descobri que ser domado é legal. O fato de seguir um modelo me permitiu exercitar o ato de encenar e ter conhecimento dos detalhes de tudo, desde as partituras até a entrada e saída dos personagens.

Você vai raspar a cabeça?

MF – Não, só o cavanhaque – vou usar uma prótese na cabeça. Descobri uma que é prática e não incomoda.

Giovanna Lancellotti diz que sofreu assédio durante viagem à Rússia na Copa