A Penitenciária Feminina do Paraná, localizada em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, vem revelando novos talentos da alta costura. Hoje, mulheres que cumprem pena no local vão apresentar 45 modelos de roupas criados por elas, durante um desfile que acontece no Museu Oscar Niemeyer (MON), na capital.

Daniel Caron
Um dos 45 looks que foram confeccionados pelas detentas e que serão apresentados hoje, em um desfile no Museu Oscar Niemeyer.

Intitulado 45 Looks, o evento é fruto de um curso de alta costura promovido pelo Programa do Voluntariado Paranaense (Provopar) e ministrado por estilistas da grife curitibana Gianni Cocchieri, com o objetivo de ressocializar as detentas e dar elas oportunidades de emprego após a conquista da liberdade.

A idéia do curso surgiu quando o Provopar recebeu uma doação de tecidos nobres (seda e crepe) apreendidos pela Receita Federal. “Não sabíamos como vender os tecidos e descobrimos que eles não poderiam ser utilizados em nossas cooperativas, pois são de difícil manuseio e exigem corte, costura e acabamentos especiais. Então, descobrimos que falta mão-de-obra especializada no setor de alta costura e decidimos criar o curso”, diz a presidente do Provopar, Lúcia Arruda.

Durante oito meses, dez detentas participaram da iniciativa, ministrada nos finais de semana. A proprietária da Gianni Cocchieri, Vânia Cocchieri, comenta que, no início, as alunas demonstravam vontade de aprender, mas não acreditavam no próprio potencial. Com o passar do tempo, foram ganhando confiança, vendo as roupas tomarem forma e adquirindo maior motivação.

“As mulheres que participaram do curso obtiveram conhecimentos e técnicas que muitas costureiras em liberdade não possuem. Depois que saírem da penitenciária, poderão procurar emprego na área, sendo que algumas serão aproveitadas pela própria Gianni Cocchieri”, afirma Vânia.

A cada dois dias trabalhado dentro da penitenciária, as detentas ganham um dia de redução da pena. Porém, em breve, as alunas de alta costura também devem começar a ser remunerada pelas roupas que fizerem. Como o setor exige aperfeiçoamento constante, o curso terá continuidade nos próximos meses.

“O trabalho foi de inclusão social, mas também contribuiu muito com o aumento da autoestima das detentas. Elas não aprenderam simplesmente a costurar, mas também a criar”, finaliza Lúcia.

Serviço

Desfile 45 Looks. Hoje, às 20h30, no Museu Oscar Niemeyer (Rua Marechal Hermes, 999, Centro Cívico). Entrada franca.