Há um fenômeno chamado Crepúsculo. A saga de vampiros criada pela escritora Stephenie Meyer formou toda uma geração de leitores. Não apenas os que leem, e o número dos leitores deve ser quase tão grande, senão maior, do que os que acompanham as aventuras de Harry Potter – as adaptações cinematográficas têm feito a cabeça de espectadores, principalmente jovens, ao redor do mundo. O primeiro filme da série fez 2 milhões de espectadores no Brasil.

O segundo multiplicou este número por três – 6 milhões. Quantos espectadores atingirá Eclipse? O terceiro filme estreou nesta madrugada, à meia-noite e um com as lotações das salas esgotadas há muito tempo.

Fãs-clubes compraram sessões inteiras. Um fenômeno brasileiro? Não, internacional – em Los Angeles havia espectadores acampados há uma semana em frente dos shoppings onde o filme estreou.

A revista norte-americana People dedicou uma edição especial à saga Twilight. Na capa, naturalmente, o vampiro Robert Pattinson e lobisomem Taylor Lautner, que disputam o amor de Bella (Kristen Stewart).

O fenômeno extrapola as meninas e atinge também a faixa masculina por conta das cenas de ação. Todos se encantam com a love story, mas são as mulheres, em geral, que cobram que o sexo seja incrementado e Edward e Bella partam logo para os finalmentes. E, parece que desta vez, vão…