Paula Weidlich

Qual deve ser o limite da interferência das empresas na vida pessoal dos funcionários? Até que ponto o trabalho pode se sobrepor à família ou às amizades? Vale a pena abrir mão de tudo em função da carreira?

Estes questionamentos, tão comuns no mundo corporativo, fazem parte do espetáculo Contrações, que esteve em cartaz no final de semana no Festival de Teatro de Curitiba, trazendo Débora Falabella em seu elenco. “O público nos diz que a história poderia se passar em qualquer lugar, no emprego, na escola”, diz a atriz, sobre este trabalho.

O espetáculo faz uma crítica às relações de poder estabelecidas entre chefes e funcionários, mostrando as diferentes fases do sofrimento de Ema (Débora), no contato com sua gerente (Yara Novaes). Sucesso na TV, Débora mostra uma outra face ao público, apresentando em Contrações um trabalho mais intenso, com destaque para sua entrega a uma personagem que aparece em cena tocando bateria, vomitando ou coberta de lama.