O Prêmio Jabuti, um dos mais tradicionais do País, que gerou polêmica em 2012 ao permitir, por regulamento, que a nota de um único jurado fosse decisiva, anunciou nesta quinta-feira, 17, os vencedores de sua 55.ª edição. Evandro Affonso Ferreira ganhou na categoria romance com “O Mendigo Que Sabia de Cor os Adágios de Erasmo de Rotterdam” (Record), que segue no páreo do Prêmio São Paulo. “A vidinha do escritor é tão lerda, a gente vende tão pouco, é uma choradeira, e um prêmio é sempre um tapinha nas costas”, disse.

Romance é apenas uma das 27 categorias – que vão da capa ao texto, da ficção à não ficção. O primeiro lugar ganha R$ 3.500 e a chance de concorrer o Livro do Ano de Ficção ou de Não Ficção, no valor de R$ 35 mil, a ser anunciado na cerimônia de premiação, em 13 de novembro.

Sérgio San’Anna, finalista do Portugal Telecom, venceu o Jabuti em contos com “Páginas Sem Glória” (Cia. das Letras). “Fico contente, mas acho que é o quinto que eu ganho. Como o livro é do ano passado, o prêmio ajuda a divulgá-lo mais um pouco”, comentou.

Autora de 15 títulos infantis e juvenis, Socorro Accioli fez sua estreia no Jabuti com “Ela Tem Olhos de Céu” (Gaivota), considerado o melhor infantil do ano. “Meu livro é sobre uma personagem que chora chuva no sertão do Nordeste. É sobre os casos que minha avó me contava, o lugar de onde venho. Não poderia escrever nada mais honesto e fico feliz demais com o prêmio.”

Foram premiados, ainda, entre outros, Ademir Assunção (poesia), Mario Magalhães (biografia) e Audálio Dantas (reportagem). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.