O escritor argentino Manuel Puig, conhecido no Brasil como o autor do livro que inspirou o filme “O Beijo da Mulher Aranha”, será homenageado a partir de hoje em sua cidade natal de General Villegas, por causa do 20º aniversário de sua morte, ocorrida em Cuernavaca, no México.

Em meio ao Puig en Acción 2010, ciclo de homenagens ao autor, representantes das duas cidades assinarão um “convênio de irmandade”, envolvendo os prefeitos argentino Gilberto Alegre e mexicano Manuel Martínez, além de uma delegação de vereadores e outras autoridades de cada município.

O convênio prevê a cooperação em questões como a administração municipal, relações econômicas e comerciais, cooperação de projetos para a juventude — incluindo esporte, educação e cultura — com ênfase no conhecimento e difusão da obra do escritor argentino. Alegre destacou a “irmandade” entre “as cidades que viram nascer e morrer Puig”.

Uma série de jantares, debates, mostras plásticas e espetáculos musicais e teatrais ocorrerão até sábado na cidade natal do escritor, 300 quilômetros a oeste de Buenos Aires.

“O Beijo da Mulher Aranha” (1982), considerada uma de suas obras-primas, foi adaptada para o teatro no Brasil e transformada em filme pelo diretor Héctor Babenco em 1985. A produção rendeu a William Hurt o Oscar de melhor ator. Puig também escreveu “Púbis angelical” (1981), “A traição de Rita Hayworth” (1968), “Boquinhas pintadas” (1975) e “Maldição eterna a quem ler estas páginas” (1983).

O autor veio ao Brasil em 1980 para morar no Rio de Janeiro, onde viveu por nove anos e escreveu “Gardel, uma lembrança” (1987), uma comédia musical que estreou na mesma década na capital carioca.

Manuel Puig nasceu em 28 de dezembro de 1932, e também morou na Itália e nos Estados Unidos. Ele faleceu em 22 de julho de 1990.