A Cia. do Abração e o Povo do Botão, abraçados e abotoados, estão promovendo o I Festival de Arte Transitória (arte que tem como palco a faixa de pedestres nos semáforos (sinônimos: sinaleiros, sinal, sinal luminoso, sinal de tráfego e (em São Paulo) farol). O Transitória, quase se acopla ao Festival de Teatro de Curitiba, que já tinha institucionalizado o Fringe e o Frege, dentro do qual estão incluídas as manifestações extracurriculares do festival, e que por suas características específicas, de formato, tamanho e intenção, são alijadas do evento. Para participar do Transitória é imprescindível que o artista já tenha ?esquina? (ponto de atuação), os que já têm são considerados profissionais, independente do que apresentam ou da idade que têm, todos serão bem-vindos. No caso de crianças, pede-se que se façam acompanhar por um adulto responsável.

No caso de malabares não haverá restrições sendo permitido a utilização de frutas até clavas de fogo.

O Transitória é aberto a amadores, mímicos, performáticos, emblemáticos, atores desempregados, contadores de histórias, etc. As apresentações aos juízes, isto é, ao público presente, deverão ter o tempo variável que vai de 30? (trinta segundos) até 60? (sessenta segundos). Haverá distribuição de medalhas e os participantes poderão passar o chapéu (ou o que valha), pois teatro alternativo tem como bilheteria o chapéu, teatro que não passa o chapéu, desculpem, está de ?pires? na mão, isto é, está pendurado nas leis de incentivo.

Serviço

Local: Espaço do Corpo -Abração. Rua Rockefeller, 716, bairro Rebouças – telefone 362-9438.

Dia: 15 de março de 2005, terça-feira, 20h.

Ingresso: 1kg. de alimento perecível (menos sal).