Quando visitou o americano Stephen Dolginoff para acertar detalhes da montagem brasileira de Flames, a produtora Bel Gomes fez um pedido que fez o dramaturgo sorrir: ela queria fotografá-lo diante de sua famosa geladeira, carregada de adesivos com ímã, todos representando espetáculos vistos por ele. “Já se tornou um marco”, comenta Bel.

Flames fala de uma moça inconformada com a morte do amado em um incêndio, um ano antes, e que é consolada (e cortejada) pelo melhor amigo dele. Só que surge um homem dizendo ser o jovem morto.

Dolginoff é adepto de estabelecer conflitos emocionais de uma forma que torna a transição das palavras para a música inteiramente natural. Suas canções são geralmente propulsivas, mostrando as palavras acima de tudo, e, em vez de sobrecarregá-las, traz bancos de repouso para cristalizar um ponto e enfatizar uma nuance emocional.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.