Foto: Arquivo/O Estado

 Frei Betto é autor de Treze contos diabólicos e um angélico.

O religioso dominicano e escritor frei Betto participa do projeto Sempre Um Papo no lançamento de seus mais recentes livros: Treze contos diabólicos e um angélico (Planeta) e Saborosa Viagem pelo Brasil (Mercuryo Jovem), este infanto-juvenil, escrito em parceria com a sua mãe, d. Stella Libanio. O evento acontece amanhã, no Teatro da Caixa.

Em Treze contos diabólicos e um angélico, Frei Betto apurou ainda mais seu estilo, consagrado desde O aquário negro, seu primeiro livro de contos, publicado em 1979. O protagonista é o Coisa Ruim, o Capeta, o Demo, o Anjo Caído, alcunhas associadas àquele que simboliza a essência do mal. Nestas pequenas e belas histórias, o leitor é levado, inevitavelmente, a refletir sobre a inveja, a ganância, o egoísmo, a maldade, a tirania, a alienação. No conto que abre o livro, O hóspede , Frei Betto faz uma leve referência a Jean-Paul Sartre. Solitário, um homem acaba conhecendo o diabo, que se transmuta em várias pessoas, como se fosse um espelho da alma de quem o vê. Diferentemente de Sartre, Frei Betto acredita que o inferno são os outros, somente na proporção do nosso egoísmo. Para ele, ?somos nós que produzimos o inferno?.

Em Saborosa viagem pelo Brasil: Limonada e sua turma em histórias a bordo do Fogãozinho, frei Betto envereda para a literatura infantil, contando a história da Turma do Fogãozinho, que ilustra as receitas de Maria Stella Libanio Christo. No livro, Limonada, ao mesmo tempo em que se exercita na arte culinária, o grupo reflete sobre a importância da alimentação natural e do aproveitamento de todas as partes dos vegetais e das frutas. Dessa reflexão nascem outras igualmente importantes: a desnutrição e a tendência à obesidade.

Serviço: Sempre um papo com o escritor frei Betto. Dia 23 de novembro, 19h30 no Teatro da Caixa (rua Conselheiro Laurindo, 280). Entrada Franca.