Um disco muito importante e especial. É assim que Roberto Frejat resume seu novo trabalho solo denominado Intimidade entre estranhos, que será lançado na próxima semana pela gravadora Warner Music.

O CD dá continuidade ao trabalho individual de Frejat, e traz onze composições novas que o cantor vem produzindo desde 2003. “O disco foi rápido de ser produzido, toquei com vários parceiros que me acompanham na carreira como, por exemplo, o produtor Maurício Barros. Isso fez com que a produção final fosse bastante rápida”, conta.

Em seu novo álbum, Frejat buscou parcerias com importantes ícones da música brasileira. “Todos são grandes parceiros. Na gravação do CD, tive o privilégio de tocar com Zé Ramalho, Zeca Baleiro, Paulo Ricardo e diversos outros amigos que já me acompanham na carreira como Maurício Barros, Flávio Salgueiro, Gustavo Black Alien, entre outros”, cita.

De acordo com o cantor, o título do álbum diz respeito a situações que todos vivemos. Intimidade entre estranhos é, também, o título de uma das músicas, que fala sobre o contato que temos diariamente com pessoas que não conhecemos. No amor, por exemplo, é incrível como as pessoas que se apaixonam vão ficando íntimas entre si. O amor vai centralizando certas emoções e reações que me levaram a dar esse título ao álbum”, conta.

Uma das maiores dificuldades que o cantor vê em realizar uma carreira solo é a ligação do público com outros trabalhos, como a banda Barão Vermelho. “É uma batalha que felizmente estou travando muito bem. O público começa a me ver como Frejat, e não tanto como vocalista do Barão Vermelho. É um trabalho difícil, mas muito gratificante”, descreve.

Sobre agenda de shows no Paraná, o cantor afirma que a vontade de tocar na capital é grande. “Gostaria muito de tocar em Curitiba. Tenho diversos amigos, já toquei diversas vezes e sempre sinto vontade de voltar, adoro essa cidade”, diz.