Salvador (AE) – O deputado carioca Fernando Gabeira (sem partido), o presidente da Câmara Aldo Rebelo (PC do B/SP), o apresentador Faustão da Rede Globo e o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, o cardeal-arcebispo dom Geraldo Majella Agnelo têm algo em comum para o Grupo Gay da Bahia (GGB), a mais antiga entidade do gênero considerada de utilidade pública do Brasil: são personalidades consideradas amigas dos homossexuais que, no ano passado, praticaram algum tipo de ação considerada benéfica para a luta dos gays contra a discriminação.

Os quatro integram o lote de 50 pessoas e instituições escolhido para o Oscar Gay, instituído há 16 anos pelo GGB. Receberão o Troféu Triângulo Rosa, com o qual os homossexuais baianos homenageiam pessoas e instituições beneméritas.

Por outro lado, os inimigos são agraciados com o troféu Pau-de-Sebo. Na versão deste ano, o GGB escolheu para receber o ?Pau-de-Sebo?, entre outros, o senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), o deputado carioca Jair Bolsonaro, o cartunista Ziraldo e o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) que de alguma forma ofenderam os gays.

Gabeira defendeu o boicote às empresas ?homofóbicas? e o apoio às simpatizantes dos homossexuais, enquanto Rebelo declarou, no ano passado, que ?a sociedade precisa discutir os direitos humanos dos homossexuais e a Câmara Federal deve se posicionar sobre o tema??.