Brasília

– O ministro da Cultura, Gilberto Gil, defendeu ontem na Câmara dos Deputados a ampliação do orçamento do ministério de 0,2% para 1% dos recursos da União, já em 2004. Gil afirmou que os recursos hoje recebidos são insignificantes e comparou a situação do ministério a uma peça decorativa, um arranjo floral de salões governamentais. “Não estamos fazendo nenhuma reivindicação esdrúxula, incabível ou insensata. Estamos reivindicando, de forma realista, com os pés no chão, ao menos 1% do orçamento, para uma pasta que responde por um conjunto de atividades produtivas que representam, segundo estudos disponíveis, bem mais que 1% do PIB nacional”, disse Gil em seu discurso, durante audiência na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados.