Um dos primeiros grandes ídolos do esporte nacional, Francisco Landi teve uma das carreiras mais longas da história do automobilismo. Sua primeira corrida oficial aconteceu em 1925 e a última em 1973, quando estava com 66 anos de idade. É um marco da história do automobilismo: em meio século somou 80 vitórias e oito títulos.

A vida deste paulistano pioneiro dos pilotos brasileiros é contada no livro Chico Landi de Ponta a Ponta, de Paulo Scali, que conviveu com o biografado. A obra inaugura uma série de livros que estão programados pela Tempo & Memória com patrocínio da Mahle Metal Leve. Devido ao incentivo da Lei Rouanet, o livro será doado a escolas e instituições culturais, bastando fazer solicitação pelos telefones (11) 3082-2847 ou 3062-4561.

Conta Paulo Scali que, aos 13 anos, Landi já trabalhava em oficinas mecânicas para ajudar no sustento da casa – o que lhe garantiu a convivência e o conhecimento sobre os motores que tão bem viria a dominar ao longo de sua vida. Apaixonado pela velocidade e pelas máquinas, experimentou várias categorias de esporte, entre elas o motociclismo e o kart. Mas foi o automobilismo que lhe proporcionou reconhecimento mundial. Participou de “rachas”, de diversos circuitos de rua, de provas de subida de montanha, de provas em circuitos fechados, da Fórmula 1, competições de marcas, carreteiras e assim por diante. Além das diversas provas disputadas pelo Brasil afora, correu também na Argentina, Uruguai, Itália, Inglaterra, França, Holanda. Foi inclusive na Itália, em Bari, que Chico Landi, em 1948, obteve a primeira vitória da Ferrari.