Artista que se dedica a variadas frentes de criação – pintura, escultura, fotografia, vídeo, instalação, cenografia -, Jeane Terra exibe a partir desta sexta-feira, 21, no 19.º Salão de Arte Contemporânea do Carrousel do Louvre, em Paris, algumas de suas peças escultóricas de luz que considera sua incursão no ramo do design. “A curadora Heloiza Azevedo achou que essas obras têm uma coisa lúdica”, afirma sobre a Linha Mondrian, realizada no ano passado. Formados por cubos coloridos de acrílico iluminados por lâmpadas de LED, os trabalhos da série brincam com a geometria – e uma das luminárias remete a uma pipa, à “nostalgia” da infância, descreve a criadora.

Nascida em Belo Horizonte, Jeane Terra vive no Rio, onde é, desde 2009, assistente da pintora Adriana Varejão. “Comecei com a pintura, desenvolvi uma técnica de pintar com resina sobre a madeira”, conta a artista, que iniciou sua formação em Minas Gerais e depois a complementou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. “Para cada trabalho, utilizo um suporte”, explica, destacando a morte e a sexualidade como temas.

Além das luminárias – “são pinturas também, há o claro e o escuro”, diz, sobre as peças -, Jeane Terra exibe no Salão de Paris, até domingo, 23, exemplares de outra série escultórica, Notas Flutuantes, de 2007.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.