O escritor espanhol José Manuel Caballero Bonald ganhou hoje o Prêmio Cervantes 2012, um reconhecimento à obra deste “poeta romancista, criador de histórias e mestre no uso do idioma”, como considerou o presidente do júri, Darío Villanueva.

Um poeta, romancista e memorialista cuja obra, segundo destacou a decisão do júri, contribuiu “para enriquecer o legado literário hispânico”.

O ministro de Educação, Cultura e Esporte da Espanha, José Ignacio Wert, anunciou hoje o nome de Caballero Bonald como vencedor do prêmio -tido como o Nobel da literatura hispânica- ao lado da escritora Ana María Matute, agraciada com o Cervantes em 2010 e que também fez parte do júri.

Nesta edição, o prêmio, que foi concedido pela primeira vez em 1976, contou com 21 candidatos na disputa, sendo que Caballero Bonald foi eleito vencedor após cinco votações sucessivas. Segundo o presidente do júri, a projeção ibero-americana do escritor também foi determinante para sua escolha.

Ao anunciar o vencedor, Villanueva lembrou que a poesia foi a primeira dedicação de Caballero Bonald, “um poeta que ainda não guardou a pluma e segue presente em nosso repertório poético”. Além de exaltar sua qualidade como poeta e romancista, o presidente do júri também destacou a tradição memorialista do premiado, memórias literárias com grande criatividade expressiva.

Bonald é autor de, entre outros, “Las Adivinaciones”, “Memorias de Poco Tiempo”, “Dos Días de Septiembre” e “Entreguerras”.

“Tudo isso lhe configura como uma das figuras mais destacadas da literatura espanhola”, completou Villanueva.