Ator afirma que “não é só de novelas”.

Havia a expectativa de que, dada a importância do tema, o debate em torno da Agência Nacional do Cinema e do Audiovisual, Ancinav, seria quente no 32.º Festival de Gramado – Cinema Brasileiro e Latino. Na segunda e terça-feira, parece que foi combinado – ninguém tratou do assunto. O tititi, agora – mas ninguém confirma nada -, é que o próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva poderia desembarcar em Gramado no sábado, para a festa de encerramento. No ano passado, você deve se lembrar, o ministro Gilberto Gil usou o foro do festival para anunciar a meta da produção de cem filmes brasileiros anuais. Lula vem ou não vem? ‘Lula aqui?’

Na terça à noite, começaram as homenagens. Lima Duarte veio receber o troféu Oscarito, que premia uma personalidade por sua contribuição ao cinema nacional. Lima, que já foi melhor ator em Gramado, em 1983, por Sargento Getúlio, disse que não gosta de participar de competições. Diz que, para um artista, é melhor receber um prêmio como este, que reconhece uma carreira inteira e não um momento, em particular. Lembrou que ostenta no currículo nada menos de 32 filmes.

Lima tinha 15 anos quando deixou o interior de Minas. O pai impulsionou-o a tentar a sorte em São Paulo. Virou rádio-ator e foi o começo de tudo. Lima disse que é assombrado por todas essas figuras que o acompanham. Lembrou os companheiros de lutas – Oduvaldo Vianna, Cassiano Gabus Mendes, Barbosa Lessa. E quase fez o Palácio dos Festivais vir abaixo ao dedicar seu prêmio a um político diferente dos outros, coerente, íntegro e sonhador – Leonel de Moura Brizola. Recebeu uma longa ovação.

Competição

Na mostra competitiva, o primeiro concorrente latino demora um pouco para engrenar. Suite Habana, de Fernando Pérez, usa dez personagens para colocar na tela a capital cubana que os turistas não conhecem (e o cinema mostrou). O filme prescinde de diálogos. Tem só imagem e música. No começo, parece que vai ser um Godfrey Reggio cubano. Não é. Pérez fez um belíssimo filme sobre pessoas que você poderia definir como deslocadas, ou que levam existências duplas. Os 30 minutos finais de Suite Habana são coisa de gênio e já fazem parte da história do cinema.

Na seqüência, já prejudicado pelo impacto que teve o filme cubano, passou o segundo longa nacional da competição. Araguaya – A Conspiração do Silêncio, de Ronaldo Duque, trata da dura ofensiva que o Exército brasileiro, no auge da ideologia de segurança nacional, desencadeou sobre a guerrilha do Araguaia. Até hoje, restam 58 guerrilheiros desaparecidos. O filme mistura tudo – guerrilheiros inexperientes, militares tão brutais quanto corruptos, padres estrangeiros (no caso, franceses) e uma região onde miséria e ambição coexistem o tempo todo.

No festival também tem curta paranaense

Nesta sexta-feira, às 19 horas, em Gramado (RS), a exibição do curta-metragem paranaense Vovó Vai ao Supermercado. O filme, que é um dos catorze concorrentes na categoria 35 milímetros do 32.º Festival de Cinema de Gramado, foi dirigido e produzido pelo auditor fiscal da Delegacia Regional do Trabalho do Paraná Valdemir Milani. Os nomes dos vencedores em cada categoria serão anunciados sábado. Lala Schneider, Emílio Pitta, Sinval Martins e Florival Gomes estão no elenco do filme, que em aproximadamente 20 minutos retrata alguns problemas enfrentados pelos idosos. “A intenção é surpreender o espectador com as atitudes nada usuais e jamais esperadas de uma vovó tradicional”, resume Milani, que prefere esperar pela apresentação oficial antes de falar sobre trabalho.

O cineasta

Valdemir Milani sempre se interessou por cinema, mas foi somente a partir de 1998 que passou a se dedicar à atividade – até então um hobby de final de semana. “Sempre fui um cinéfilo de carteirinha”, conta ele, que foi assistente de direção dos curtas A Poltrona e Quatro Amigos, além de ter dirigido Uma porta, duas saídas. Servidor da DRT/PR há mais de 20 anos, Milani atua hoje na Seção de Segurança e Saúde do Trabalhador. Natural de Loanda (Noroeste do Paraná) onde nasceu em 1959, é graduado em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná e especializado em Segurança do Trabalho pelo Cefet.