O encerramento das atividades de 40 anos do Festival Internacional de Londrina (Filo) será realizado neste sábado (20), às 10h30, no Teatro Ouro Verde, com o lançamento do livro “Filo 40 anos – Registro Histórico”. A publicação faz uma retrospectiva das quatro décadas do festival. O livro relembra fatos históricos e fotos de personagens que construíram o Filo.
 
Criado em 1968, o festival evoluiu neste período de local para regional, nacional, latino-americano e, finalmente, internacional, sempre antecipando conceitos, conforme o diretor do Filo, Luiz Bertipaglia, “de liberdade de expressão, democracia e cidadania”. Bertipaglia afirmou que o festival é uma parte importante da história cultural do país. “O Filo cumpriu um roteiro cultural e histórico, registrando e fazendo a travessia dos períodos sócio-políticos que marcaram as quatro últimas décadas da nossa história.”
 
Conforme o diretor do Filo, um marco do festival data de 1988, quando foi realizada a Mostra Latino-americana de Teatro, a primeira do país. “Hoje o festival é reconhecido mundialmente, tendo recebido grandes expoentes do teatro universal”, comentou. Entre os nomes, ele apontou Kazuo Ohno, Odin Teatret, Peter Brook, De la Guarda, Win Vandekeybus & Última Vez, Lês Ballets C. de la B., Derevo, Volksbürne, Carbono 14.
 
O Filo recebeu em 2008 da Prefeitura de Londrina, por meio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic), um investimento de R$ 300 mil. O anúncio foi feito pelo prefeito Nedson Micheleti, no final do mês de maio, quando foram anunciados também os investimentos de R$ 200 mil no Festival de Música de Londrina (FML) e R$ 80 mil no Festival de Dança.
 
O Festival Internacional de Londrina (Filo) é uma realização da Associação dos Amigos da Educação e Cultura Norte do Paraná (Àmem) e da Universidade Estadual de Londrina. Além do Promic, o Filo recebe patrocínio da Petrobras, da Caixa Econômica Federal, da Fundação Nacional de Artes (Funarte) e Ministério da Cultura.