Luma Costa volta provocante à TV. Ela é um dos destaques de Pé na Cova, próximo seriado da Globo que estreia dia 24 deste mês. Na pele de Odete Roitman, uma jovem loira, sexy e homossexual, Luma fará parte de uma família muito doida do Irajá e ganhará a vida se despindo na internet.

“Ela parece que está o tempo inteiro pronta para tirar a roupa, seja no iPhone, no iPad…”, disse Luma durante a coletiva de imprensa de lançamento da nova série.

Filha de Ruço (Miguel Falabella) e de Darlene (Marília Pêra), a menina aparentemente desmiolada é que garantirá o sustento da familia, uma vez que o negócio do clã – a F.U.I. (Funerária Unidos do Irajá) – se mostrará um empreendimento totalmente falido.

Para encarar a personagem, que recebeu o nome famoso por escolha da mãe alcólatra e maquiadora de cadáveres, Luma precisou se empenhar nas aulas de pole dance, dança com um bastão de metaltereza bastante comum em boates de stripease.

“Perdi dois quilos desde então”, revelou, após confessar que a prática não é fácil. “Fiquei com as pernas todas roxas, mas já me viro naquele negocio de cabeça para baixo, já está tudo certo.”

Beijo na boca

Apesar de não ter vergonha de ficar pelada na rede, a versão gostosa e suburbana de Odete só está disponível para meninas. Ou melhor, para uma menina. Tamanco, vivida por Mart’nália em seu primeiro papel na televisão, é uma borracheira e dona de oficina mecânica, e será o par romântico da loira.

“Ela [a namorada] sabe [do strip] e aceita, elas têm uma relação supersadia. É uma relação fechada, são ciumentas uma com a outra, elas se amam”, afirmou Luma.

O estranho casal vai até protagonizar um casamento gay, mas o telespectador não deve esperar nada de beijo entre as artistas, garante Miguel Falabella, diretor e escritor da obra. “Você acha que vai ter [beijo homossexual] num país em que as pessoas nem sabem ler?”, retrucou.

Pela primeira vez em um papel que encarna sua idade real, Luma comemora o rompimento com seus personagens tradicionais “de praia, surfista, boazinha, pequenininha”. “Eu cresci e alguém tem que ver, né? Eu trabalho desde os 12 anos, mas sempre me davam um personagem mais novo que o da minha idade”, disse.