Morreu há cerca de duas semanas o músico paranaense Waltel Branco, um dos principais músicos e maestros do mundo, aos 89 anos. Ainda sem causa conhecida, a morte do maestro ocorreu em 28 de novembro e estranhamente não foi comunicada pela filha, com quem ele morava há cerca de um ano em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Conhecido internacionalmente por ter sido um dos compositores da trilha sonora da Pantera Cor-de-Rosa, ele era admirado por músicos de vários estilos e tem uma extensa produção musical em sua carreira de quase 70 anos.

O jornalista Felippe Aníbal está escrevendo a biografia do maestro e ficou consternado com a notícia. “Waltel era um ser-humano extraordinário e um gênio criativo. Compôs até o fim. Deixa um legado inestimável, maior do que se imagina: quanto mais se pesquisa sobre o maestro, mais se descobre sobre sua obra”, contou o jornalista, que tem 40% da obra já escrita.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Para escrever o livro ouviu dezenas de músicos e todos referendavam o nome de Waltel como como um gênio da música. “Para os mais de 30 músicos que entrevistei até aqui, ele era uma unanimidade, não só como compositor, como instrumentista ou como regente, mas como pessoa”, afirmou.

“Eu queria concluir o livro com Waltel ainda vivo. Infelizmente, não foi possível. Resta-me, agora, deixar um material que faça jus à história do velho maestro”, concluiu Aníbal.

Waltel foi um dos arranjadores da trilha abaixo. Relembre!

Quem era Waltel

Nascido em 22 de Novembro de 1929, em Paranaguá, litoral do Paraná, Waltel teve o primeiro contato com a música junto com a religião. Seus estudos musicais se consolidaram no período em que esteve no seminário, com o chileno Joquín Zamacois. Entre seus mestres da época, nomes como Bento Mossurunga, padre José Penalva, Jorge Koshag, Stanley Wilson e Alceo Bocchino. Em 1949 se mudou para Curitiba com seu irmão, mesmo ano em que foi par ao Rio de Janeiro e em seguida para Cuba, onde aprofundou seus conhecimentos musicais.

É considerado um pioneiro na criação de estilos musicais, como o jazz fusion. Morou também nos Estados Unidos, teve atuação decisiva na criação da Bossa Nova, fez parcerias com músico como João Gilberto, um dos percursores do gênero. Morou também na Europa e Asia, e especializou-se em trilhas sonoras. Trabalhou com Nat King Cole e outros nomes importantes dos Estados Unidos. Conheceu o maestro Henry Mancini e foi um dos compositores/arranjadores da icônica trilha sonora da Pantera Cor-de-Rosa.

Ao todo compôs mais de 5000 composições, arranjos e colaborações. Já tocou com os maiores nomes do Brasil, como Dorival Caymmi, Nana Caymmi, João Gilberto, fez arranjos para Roberto Carlos, Cazuza, Tim Maia, Djavan, Cartola, Gal Costa,Maria Creuza, Vanuza, Mercedes Sosa, Astor Piazzola, Zé Keti, Peri Ribeiro, Sérgio Ricardo e Tom Jobim.

Em 2012 recebeu o título de doutor honoris causa pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) como compositor, arranjador e multi-instrumentista paranaense. Waltel transitou por inúmeros ritmos populares – do samba-canção à Bossa Nova, do jazz fusion à MPB, do samba às trilhas de novela – ao longo de sua carreira.

Banoffee de curitibano conquista celebridades em São Paulo