O músico Marcelo Falcão, 48, ex-vocalista do grupo O Rappa, teve prisão domiciliar decretada pela Justiça do Rio de Janeiro por não pagar pensão alimentícia para a filha Agatha Silveira, 22. Pela decisão, ele terá que cumprir a pena em sua casa, por 60 dias, e usar tornozeleira eletrônica nesse período.

“Está demonstrado o descaso do executado em relação ao cumprimento de sua obrigação em pagar a integralidade dos alimentos à filha, hoje maior. Inúmeras oportunidades foram concedidas sem que o devedor cumprisse voluntariamente sua obrigação”, afirmou o juiz André Cortes Lopes, da 18ª Vara de Família.

Falcão alega no processo que não pode pagar o valor, que hoje estaria acima de R$ 80 mil, alegando falência, citando o fim de O Rappa e a pandemia como razões para seu suposto declínio profissional. O juiz ressalta, porém, que ele “vem se apresentando em lives e eventos” e tem turnê agendada no exterior.

A informação da prisão do músico foi divulgada inicialmente pela colunista Fábia Oliveira, do Em Off, e confirmada ao site F5 pelo Tribunal de Justiça do Rio. Na decisão, o juiz afirma que a reclusão domiciliar é uma alternativa na pandemia, “a fim de conter propagação da Covid-19 entre a população carcerária”.

A paternidade da jovem foi confirmada por um exame de DNA, em 2016. “Fui avisado que era pai em um laudo técnico e não em uma maternidade”, disse ele na ocasião. Após o decreto da prisão, Falcão afirmou que nunca deixou de cumprir “nada perante a justiça” e que a filha estaria querendo destruir sua carreira.

“Está cheio de fofoquinha e mimimi com meu nome e eu nunca deixei de cumprir nada perante a Justiça. Agora, descobrir com 20 anos de idade, criada por outra pessoa, com nome de outra pessoa. Aí, porque sou o tal vocalista da banda lá, aparece com dois pés no peito tentando destruir minha carreira”, disse no Instagram.

“Sou um cara de bem, sou um cara honesto. Estou aqui porque tenho respeito pelos meus fãs. Todo amor do mundo para vocês, fãs, que sempre acreditaram em mim. Eu vou provar, lá na frente, quem estava errado, porque eu nunca vou estar errado, porque não aceito estar errado. Mas tudo será esclarecido.”