Carol Francischini finalmente decidiu sair da toca. A modelo, que deu à luz Valentina, há quase um mês, apresentou a menina e falou da polêmica envolvendo o nome do ator Bruno Gagliasso, que, durante toda a gestação, foi apontado como o pai do filho que ela estava esperando.

Em entrevista à revista “Caras”, Francischini posou com a bebê e deu fim aos boatos envolvendo a gravidez. Ela afirmou que nunca revelará o nome do pai da sua filha, e disse que ela e sua família sofreram bastante com a exposição.

“Não pude curtir a gravidez, exibir meu barrigão. No Rio ou em São Paulo. Tinha medo de ser agredida. Vi minha mãe e irmãos perdendo a privacidade deles também. A única coisa que eu queria era ser mãe. E acho que vou ser também um ótimo pai para a minha filha. Aliás, já estou sendo”, diz Carol, curtindo a pequena na companhia da família em Valinhos, interior de São Paulo.

Como os boatos a afetaram?

Quando vi, a bomba tinha estourado. Porque eu não fico pendurada na internet em busca desse tipo de assunto. E não estou toda hora no Brasil para saber o que está acontecendo. Eu moro fora do Brasil. Quando me dei conta, já havia paparazzi atrás de mim em Miami e milhões de coisas sendo faladas nas redes sociais. Não fiquei brava, não, eu me senti acuada, triste com essa situação. Só pedi o respeito das pessoas. A única coisa que eu queria era ser mãe. E acho que vou ser também um ótimo pai para a minha filha, aliás já estou sendo!

De onde surgiu essa informação de que o ator Bruno Gagliasso seria o pai de seu bebê?

Não sei. Especulações, realmente. Fofocas que um espalha aqui e outro espalha ali. Aí vira um “telefone sem fio’. Não sei também como surgiram outros nomes que foram veiculados.

E você pretende manter a identidade do pai em sigilo?

Pretendo e sempre pretendi. Nunca abri a minha boca para dar nome algum. Falar alguma coisa agora para quê? Eu só quero viver em paz com a minha filha. Em pleno século XXI alguns não conseguem entender o que é ser mãe solteira por opção. Há preconceito. Isso pesa mais aqui no Brasil. Lá fora, as pessoas não pensam assim. Tenho milhões de amigas que não têm namorado e criam seus filhos como querem.

E se no futuro ela quiser saber quem é o pai?

Valentina tem o direito de saber de tudo. É a única pessoa que tem o direito e vai saber de tudo, um dia, com certeza. E quando ela vier me perguntar, a verdade está aqui para ser dita.