O Museu Oscar Niemeyer abre no próximo sábado (4), às 11h, a mostra Elogio ao Silêncio que reúne pinturas, desenhos e gravuras recentes de Sergio Fingermann (1953). O conjunto de óleos sobre tela de grandes formatos e trabalhos em papel é acompanhado por dois álbuns de águas-fortes, Elogio ao Silêncio e O Teatro do Mundo, tendo como tema central alegorias da música e o espaço cênico.

A exibição da mostra tem o patrocínio da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) e o apoio do Governo do Paraná e do Ministério da Cultura. Durante o evento, o Museu permanecerá com a bilheteria franqueada, entre 10h e 12 horas.

As obras nasceram de uma proposta feita ao artista pelo maestro da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), John Neschling, para que pintasse as nove sinfonias de Beethoven, que deu origem a um conjunto maior de trabalhos. Nelas, Fingermann explorou o silêncio como qualidade própria da pintura. Leonardo da Vinci dizia que a pintura é “poesia muda”, experiência que deve ser fruída na contemplação, na solidão, nas pausas.

A reflexão da experiência artística sempre fez parte das preocupações de Sergio Fingermann. Em 30 anos de carreira, o pintor paulistano delimitou seu território poético apostando na formação e na singularidade como valores artísticos.

Para o artista o silêncio dos trabalhos provoca “a dança das imagens, e a leitura cruzada deles constrói novas associações poéticas, espaços cênicos”. Ele admite que é um simples pretexto para “articular sensações e evidenciar questões metafísicas da experiência da pintura”.

Fingermann diz que por vezes, as imagens, a figuração que surge nos quadros remete ao mundo clássico, ideal, “um artifício para capturar o olhar e convocá-lo a uma elaboração, a construção de significados na forma de pensamentos. Sensações de ausência, espanto, estranhamento, desacomodamento do olhar, mistério, transcendência: na atmosfera dessas pinturas, nesse mundo, onde os deuses já foram embora, reina a nostalgia e o homem tem que reinventar a vida.”

A exposição é acompanhada pelas publicações: Elogio ao Silêncio e Alguns Escritos Sobre Pintura, e o recém-lançado Trama de sombras, que faz parte de uma coleção da Editora BEI chamada Educação do olhar. Os exemplares são o testemunho do artista plástico sobre a experiência da pintura, dando continuidade ao livro Fragmentos de um Dia Extenso, no qual Fingermann apresenta as bases éticas em que se constitui o seu trabalho.