A 35ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo começa hoje com uma cerimônia de abertura apenas para convidados no Auditório do Ibirapuera. No entanto, de todas as edições do evento, essa será a mais triste, pois não contará com seu idealizador – e entusiasta – Leon Cakoff, que morreu no último dia 14. Renata de Almeida, viúva de Cakoff e diretora da Mostra, deverá homenageá-lo.

A abertura será comandada pelo crítico Rubens Ewald Filho e pela cineasta Marina Person. Para o público, a Mostra só vai iniciar mesmo amanhã, a partir das 11h, com a exibição de “Maria My Love”, na Faap. Hoje, no Auditório, serão exibidos “Viagem à Lua”, de 1902, dirigido por Georges Méliès, e “O Garoto de Bicicleta”, dos irmãos belgas Luc e Jean-Pierre Dardenne (que levou o Grande Prêmio do Júri de Cannes deste ano).

Da abertura, deverão participar os atores Alice Braga, Mariana Ximenes e Paulo Miklos, os diretores Fernando Meirelles, Laís Bodanzky e Ugo Giorgetti, além dos escritores Marçal Aquino e Zuenir Ventura. Está confirmada também a presença de Frances Kazan, escritora e viúva do diretor Elia Kazan, que ganhará retrospectiva nesta Mostra. “Sindicato de Ladrões”, de 1954, um dos clássicos de Kazan, por exemplo, será exibido no MIS, no sábado, às 19h20. O filme será reapresentado nos dias 23, às 18h30, na Cinemateca, e 24, às 20h10, no CineSesc. Os russos Sergei Paradjanov e Aleksei German são outros homenageados, assim como Martin Scorsese e Stanley Kubrick. No evento, a editora Cosac Naify lançará o livro “Conversas com Scorsese”, no qual o diretor fala de sua obra em conversa com o autor Richard Schickel. Além disso, será exibida uma versão digital e restaurada do longa “Taxi Driver”, de 1976, (nos dias 25, às 22h10, e 26, às 20h10, no Unibanco Frei Caneca e 1/11, às 20h10, no CineSesc).

De Kubrick, o público poderá (re)ver um de seus mais emblemáticos filmes, “Laranja Mecânica”, de 1971, igualmente restaurado (nos dias 22, às 22h10, e 24, às 17h30, no CineSesc, 2/11, às 20h40, no Unibanco Frei Caneca). Para quem quiser se aprofundar na obra cult de Kubrick, a dica é assistir ao documentário “Era Uma Vez… Laranja Mecânica”, de Antoine de Gaudemar (nos dias 22, às 19h30, no Unibanco Frei Caneca, 23, às 21h, no Cine Livraria Cultura, 24, às 23h30, no Cine Sabesp, e 25, às 19h, na Faap). O filme traz entrevistas com Malcolm McDowell e Warren Clarke, além da viúva do diretor, Christiane Kubrick, e do autor do livro que deu origem ao filme, Anthony Burgess. Jan Harlan, cunhado de Kubrick, é um dos convidados da Mostra e fará uma Master Class, na Faap, no dia 25, após a projeção do longa.

O público, como em todas as edições da Mostra, terá participação fundamental na escolha dos melhores filmes. Dentre esses títulos mais votados, um outro júri, agora de especialistas, vai escolher os melhores curtas e longas-metragens de ficção e documentários. Os prêmios vão de R$ 15 mil (melhor curta) a R$ 45 mil (melhor longa de ficção). Neste ano, serão exibidos 100 filmes a menos do que o ano passado, num total de 250. A redução se deve ao fato de todos filmes internacionais serem inéditos aqui no Brasil. O número diminuiu, mas a qualidade da Mostra aumentou. As informações são do Jornal da Tarde.

35ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo – Ingressos: permanente integral – R$390; especial (sessões de 2ª a 6ª, até 17h55) – R$90; pacote com 40 ingressos – R$ 285; pacote com 20 – R$ 165; individuais – R$ 14 (2ª a 5ª) e R$ 18 (6ª a dom.). www.mostra.org.