“O que rainhas, tsunamis, maçãs, Buda, cientistas, gosmas rosas e alienígenas têm em comum?”. É com essa insólita pergunta que o artista plástico potiguar Thiago Cóstackz, 25 anos, abre a mostra “Tsunami vs Terremoto”, em São Paulo. Cóstackz é um dos criadores do Museu de Arte Contemporânea Sustentável do Brasil, que será inaugurado em Natal, no ano que vem.

Composta por 44 obras inéditas, a exposição tem o objetivo de instigar o visitante a múltiplos questionamentos sobre o que significa ser um habitante da Terra em 2010. “Mais do que um evento climático, o que pode ser encarado como ‘tsunami social’ dos nossos tempos?”, pergunta Cóstackz.

Assuntos como política, meio ambiente, Direitos Humanos, astrobiologia, antropologia e física quântica são tratados por meio de uma linguagem bem humorada e com técnicas de pop art e body art – que utiliza o corpo como suporte. O artista confecciona todas as suas obras a partir de matéria-prima ecológica, como madeira certificada, roupas de tecidos ecológicos e tintas à base de água que não poluem o meio ambiente. Para ele, o mundo de hoje exige uma posição mais ativa dos artistas.

Cóstackz batizou uma de suas obras de “O novo código florestal brasileiro, você já leu?”. E dessa forma questiona o quanto vale um crescimento econômico, se ele está acontecendo sem preocupações ecologicamente sustentáveis. Além disso, os direitos das mulheres e suas conquistas ao longo da História são abordados no módulo da exposição chamado Golden Queens, no qual ele retrata rainhas verdadeiras e míticas, na visão do artista, mulheres muito à frente de seu tempo. “Nesta ala, passado e presente se unem de forma divertida, para questionar valores e exemplificar viradas sociais, feminismo, lutas contra todo o tipo de preconceito e Direitos Humanos”, explica.