O Museu Oscar Niemeyer abre, na próxima quinta-feira (18), às 19 horas, a mostra Guayasamín, para jornalistas, convidados e o público em geral. Com curadoria de Pablo Davi Guayasamín, filho do artista, a exposição apresenta 98 obras representativas na trajetória do equatoriano. Os trabalhos pertencem ao acervo da Fundação Guayasamín, com sede em Quito.

Realizadas a partir de diversas técnicas, como aquarelas, óleo sobre tela, acrílico sobre tela e desenhos em tinta sobre papel, as obras fazem uma retrospectiva de 60 anos da produção de Guayasamín.

A violência contra o homem é o tema central da notável obra do equatoriano Oswaldo Guayasamín (1919-1999). Em traços fortes, seus personagens esquálidos relatam dor, tristeza, medo, espanto e horror. Os trabalhos em exibição demonstram a força expressiva depositada nas mãos e nos olhos de suas figuras, características marcantes e recorrentes em sua produção. Mãos, olhos, ossos, dentes e lágrimas saltam da tela e chamam a atenção de quem observa. São traços que denunciam e revelam a revolta do artista diante da opressão e do sofrimento provocados pelas guerras, pelas ditaduras e pelas desigualdades sociais.

Obras

Parte dos trabalhos pertencem a série memoráveis, como a primeira, intitulada Huaycañan, que no idioma quéchua, uma das línguas aborígenes do Equador, significa Caminho do Pranto. Os esboços e desenhos para esta primeira série foram feitos durante uma viagem que realizou do México até a Patagônia, entre 1944 e 1945.

Produzida entre 1964 e1984, a segunda grande série, chamada de La Edad de La Ira (A Idade da Ira), reflete sobre as crueldades da Guerra Civil Espanhola (1936-1939), as invasões nazistas, os campos de concentração, o ataque a Hiroshima (06 de agosto de 1945), a guerra no Vietnã (1959 – 1975), às torturas e os genocídios promovidos pelas ditaduras no Chile (1973-1990), Argentina (1976-1983), Uruguai (1973-1985) e em outros países latinoamericanos.

A terceira série, Mientras viva siempre te recuerdo (Enquanto viver sempre me lembrarei de ti), com a ideia sintetizada pela expressão Ternura, faz uma homenagem de ternura a sua mãe e às mães do mundo. Também são exibidas naturezas mortas, paisagens e retratos. O artista retratou personagens célebres da história contemporânea, escritores, artistas e estadistas. Entre eles destaca-se o poeta chileno Pablo Neruda, que se referia ao artista como o anfitrião de nossas raízes, o escritor Gabriel García Márquez, o presidente francês François Mitterrand, o rei Juan Carlos da Espanha, a princesa Carolina de Mônaco e Fidel Castro, com quem desenvolveu grande amizade e retratou por várias vezes.

Em seu conjunto, são obras que relatam a dor e a miséria enfrentadas por grande parte da humanidade e, ao mesmo tempo, denunciam a violência cometida contra o homem ao longo do conturbado século 20. Por ocasião da exposição realizada em São Paulo, em 2008, a filha do artista, Verenice Guayasamín, disse que o pai usou do talento que possuía para influenciar a busca de um mundo melhor, mais justo e menos agressivo.

Meu pai viveu quase 80 anos e conheceu de perto os grandes conflitos do século. Apesar de toda revolta exposta em suas telas, não militou em nenhum partido político, mas definia-se “como marxista-fidelista (…). Sua obra não é panfletária, somente revela o mundo que me coube viver, como dizia sempre”.

Serviço:

Guayasamín
De 18 de março a 25 de julho 2010
Museu Oscar Niemeyer – Rua Marechal Hermes, 999
Aberto de terça a domingo, das 10 às18 horas
Ingressos: R$ 4,00 inteira e R$ 2,00 estudantes, com carteirinha