Uma viagem pelos diferentes estilos que determinaram a forma de adoração cristã pela música sacra em diversas épocas. É o que promete o coro feminino Collegium Cantorum, que se apresenta no próximo domingo às 17h na Igreja Luterana Comunidade de Cristo, em Curitiba, com entrada franca.

Interpretado inteiramente a capella e seguindo um rígido estilo contrapontístico, o concerto começa com um moteto de William Byrd, o primeiro grande compositor inglês do gênero. O espetáculo segue com dois motetos de Johannes Brahms, expoente do romantismo alemão, que usou a mesma forma de composição quase três séculos mais tarde.

Em seguida, o programa se volta inteiramente para a música sacra brasileira. Começando pelo Padre Nosso de Glauco Velásquez, legítimo representante do romantismo no Brasil. Também não poderia faltar um Villa-Lobos – e o escolhido foi o Kyrie da Missa de São Sebastião. Nessa amostra também se vislumbra o estilo imitativo que norteou Byrd e Brahms nas suas composições.

O coral também homenageia o paranaense Brasílio Itiberê, cuja obra é uma das mais significativas no terreno do coral brasileiro. As obras escolhidas foram o arranjo de uma canção negra espiritual e o responsório Oração da Noite – à maneira do credo russo, sobre texto do simbolista paranaense Emiliano Perneta. Aqui a solista é a contralto Maria Cecília Mello Duboc, enquanto o coro cria o ambiente de recolhimento sugerido e limita-se a apoiar a declamação em tom de prece de Maria Cecília, comentando suas palavras.

Para o final, o Collegium Cantorum reservou obras dos contemporâneos Ernani Aguiar e Marcílio de Oliveira Filho, que se destacam por adaptar a forma erudita da música sacra ao gosto popular, sem abrir mão da unidade do estilo.

Independente

O Collegium Cantorum é um grupo independente, sem vínculo com qualquer entidade pública ou privada, e é formado por musicistas profissionais e amadoras. Tem como objetivo divulgar a música de concerto paranaense e brasileira, mas sem deixar de interpretar obras dos compositores internacionais consagrados. A regência estará a cargo de Helma Haller, idealizadora e diretora artística do coral. Ana Luísa Vargas é responsável pela preparação vocal. O concerto foi viabilizado pela Lei Rouanet, com o patrocínio da Petrobras.