O humorista Moacyr Franco voltou a falar sobre sua demissão do SBT, ocorrida em 2017 – ano em que fazia parte do elenco de A Praça É Nossa, e sobre sua relação com Carlos Alberto de Nóbrega. “O que eu acho do Carlos Alberto? Um p*** de um amigo meu. Nunca mais falou comigo desde esse dia da demissão”, afirmou, em entrevista ao Pânico nesta terça-feira (26).

Moacyr ressaltou sua gratidão pelo passado: “Devo demais a ele como um baita de um amigo que eu tive, muito importante. Ele me mandou uma mensagem que tenho guardada como relíquia, sobre nossa amizade. Pra mim é o que basta.”

+Leia também: Murilo Benício faz publicação para Manuela Dias, autora de ‘Amor de Mãe’

Sobre a sua demissão, relembrou: “Um belo dia, me chama a direção do SBT. Era a minha vida o SBT, estava lá há 20 anos. Minha vida econômica, segurança, era o SBT. ‘Temos um problema econômico muito grande agora e vamos ter que dispensar você'”.

Moacyr garante que se ofereceu para trabalhar com salário reduzido: “Econômico? Então tá bom. Põe aí, por favor, assino outro contrato por R$ 500 por mês, preciso do plano de saúde”. Diante de nova negativa, afirma ter se oferecido para trabalhar de graça, o que também não foi aceito: “Não posso parar, não posso sair do ar.”

+Leia também: Corpo de Gugu já foi liberado por instituto médico legal da Flórida

Questionado se retornaria para o programa A Praça É Nossa, foi direto: “Eu vou pra qualquer lugar, preciso de dinheiro. … Estou em um momento tenebroso na minha vida.”

Apesar de ter afirmado que “não custava nada para a Praça” na entrevista desta terça-feira, à época de sua demissão, Moacyr Franco fez reclamações sobre o salário que recebia do SBT: “Eu ganhava R$ 40 mil no SBT. Realmente, é um salário de quem quer trabalhar de qualquer forma”. O E+ entrou em contato com a assessoria do SBT em relação às afirmações ditas por Moacyr Franco, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

Xuxa relata detalhes sobre abusos sexuais sofridos na infância