Um mergulho no universo pessoal do cineasta e videoartista curitibano Ricardo Machado. Isto é o que mostra a vídeo-instalação Retratos sensíveis, que teve início ontem, na Caixa Cultural, em Curitiba. Para poder realizá-la, Ricardo venceu um edital de ocupação de espaço promovido pela Caixa no ano de 2008.

O trabalho é a união complementar de dez telas, que transmitem simultaneamente pequenos filmes em looping. Destas telas, oito são TVs de plasma de 42 polegadas, uma em formato de pintura e uma TV branca onde é mostrada a obra Andorinhas, que no ano de 2006 ganhou o prêmio Telemig, em Minas Gerais.

As imagens tem uma relação delicada entre si, aonde o cotidiano distante e personagens obscuros da comunidade são brevemente retratados e super-expostos por breves instantes. As imagens foram coletadas por Ricardo em Curitiba e na aldeia indígena Araçaí, no município de Piraquara. São mostrados principalmente trabalhadores e detalhes da natureza.

“Sempre quis ser pintor, mas como não sei pintar, acabei encontrando no vídeo uma maneira de mostrar minhas impressões sobre as coisas. Na instalação, tentei traduzir um pouco da maneira como vejo o mundo. Porém, dentro do trabalho, cada um pode se ver em algum setor específico e se sentir dentro do próprio universo pessoal”, comenta o cineasta. “As pessoas devem encarar a instalação como um quebra-cabeça, onde algumas peças devem ser decifradas para que se possa chegar a um contexto geral”.

Ricardo é formado em direção de cinema pela New York Film Academy e diretor de curtas-metragens como Madame Olivia, Gringo in Rio e Tchau, pai.

Serviço

Videoinstalação Retratos sensíveis, de Ricardo Machado. Em exposição até 16 de janeiro na Caixa Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 580). De terça a quinta, das 10h às 19h; e de sexta a domingo, das 10h às 21h. Entrada gratuita.