As 15 obras de arte apreendidas com a doleira Nelma Kodama durante a deflagração da Operação Lava Jato, em março do ano passado, entram em exposição no Museu Oscar Niemeyer (MON) amanhã, junto com outras 55 telas. A exposição “Acervo MON Aquisições 2013/2014” mostrará as obras incorporadas ao acervo do museu nestes últimos dois anos e será inaugurada às 10h.

As obras apreendidas na Lava Jato passaram por um período de preparação antes de serem expostas. “Você tem que fazer uma ficha técnica da obra e ela tem que ficar na quarentena”, explica a diretora do museu Estela Sandrini. “São quarenta dias em uma sala especial para não contaminar outras obras”, afirma.

Depois da quarentena, as obras de arte ainda passaram por um processo de limpeza. Segundo a diretora do MON, todos os quadros estavam bem conservados.

Na coleção estão telas de Di Cavalcanti, Iberê Camargo, Aldemir Martins, Cícero Dias, Orlando Teruz, Claudio Tozzi, David Cymrot, Gerardenghi, Gomide, Heitor dos Prazeres, Mario Gruber e Tony Koegl. Segundo Estela, as obras são das décadas de 1960 a 1980.

O MON já manifestou interesse em manter as obras no acervo do museu. A decisão está nas mãos do juiz federal Sério Moro, responsável pela Lava Jato na Justiça Federal de Curitiba.

As obras estavam na casa e no escritório da doleira Nelma Kodama, presa durante a operação e condenada a 18 anos de prisão em regime fechado.

A exposição ficará em cartaz até dia 8 de março. A entrada custa R$ 6 e R$ 3 (meia-entrada).