Divulgação
Rolando Boldrin, que já apresentou programas no SBT, Rede Globo, e agora na TV Cultura, comemora 50 anos de carreira  divulgando seu livro e seu último CD, Rolando Boldrin – Sempre.

Quem acompanha a música regional brasileira dificilmente deixará de apontar Rolando Boldrin como um de seus grandes incentivadores. Através principalmente dos vários programas de TV que comandou – e ainda comanda – ele acabou se tornando um verdadeiro representante da cultura caipira. Mas além de apresentador, Boldrin tem uma sólida carreira de artista. A lista é longa: já atuou como cantor, compositor, produtor, escritor e até ator, entre outras atividades.

É um pouco do seu trabalho como músico que está compilado em um novo lançamento da gravadora Som Livre, o CD Rolando Boldrin – Sempre.

O álbum é um apanhado de vários momentos marcantes de sua carreira, como, por exemplo, a faixa Cabocla Tereza (de João Pacífico e Raul Torres), gravada em pleno palco do programa Som Brasil, na Rede Globo, em dupla com Jair Rodrigues.

Em conversa com O Estado, Boldrin afirmou que o CD foi lançado na esteira do sucesso do lançamento anterior, a coletânea Histórias cantadas e faladas de Rolando Boldrin, um trabalho mais abrangente, com quatro CDs. ?É uma fase privilegiada?, comemora o artista ao comentar as boas vendas que ambos os trabalhos estão conseguindo.

Atualmente, Boldrin apresenta o programa Sr. Brasil, na TV Cultura, que vai ao ar às terças-feiras, às 22h40 e é reapresentado aos domingos, às 10h00. Ele não esconde o orgulho pelo programa: ?a Cultura é o local exato onde ele deveria ter nascido. Tem um compromisso mais direto com o público e a resposta é muito boa. A repercussão é mais positiva até do que era na Globo?, diz.

Além de apresentar o programa, Boldrin está envolvido em toda a sua produção. ?Faço tudo. É um trabalho feito à mão, artesanal. Escolho os artistas, dirijo, escrevo textos, roteiros?, conta, dizendo que tudo isso não o cansa. ?Vou muito fundo nas coisas que faço. Dá trabalho, mas também muito prazer.?

Trajetória

Outra faixa que se destaca no disco é a notória Amanheceu, peguei a viola (de Renato Teixeira), que ficou marcada por tocar na abertura do Som Brasil, que foi ao ar de 1981 a 1983. No ano seguinte, Boldrin levou o programa para a TV Bandeirantes, onde se chamava Empório Brasil.

Depois de uma longa pausa, ele retomou o programa, em 1989, no SBT, com o nome Empório Brasileiro. ?Era o mesmo programa, mas com outros títulos?, explica. Em 1997, depois de nova pausa, Boldrin voltou à TV, desta vez na CNT/Gazeta, para apresentar o Estação Brasil, que simulava o ambiente de uma rádio. ?O programa era gravado em Curitiba?, lembra.

O cantor é enfático ao recusar o gênero ?sertanejo? aos seus trabalhos: ?o rótulo é de muito mau gosto?, afirma. ?Tem grandes intérpretes, mas o repertório… Eu abomino essa denominação, que descaracteriza a nossa música?, completa. Para ele, um rótulo mais adequado seria o ?caipira? e, como exemplo de artistas genuínos do gênero, ele cita a dupla Pena Branca e Xavantinho.

Para o futuro, Boldrin está preparando seu primeiro DVD, que deverá contar um pouco da história de seus projetos, trechos com os famosos ?causos?, além, é claro, de músicas. Segundo ele, o DVD deverá estar nas lojas até o final deste ano.

Atualmente, o artista continua fazendo shows pelo Brasil, aliados com a divulgação de seu livro História de amar o Brasil, no qual fala sobre os 50 anos de sua carreira, comemorados este ano. Segundo ele, o Paraná deverá receber seu novo show. ?Tenho consultas de pessoas de Curitiba e Londrina?, revela.

Serviço

Mais informações sobre o CD no site da gravadora, www.somlivre.com.br.

O site do artista é o www.rolandoboldrin.com.br.