Os maníacos por seriados da TV americana tiveram sua festa anual no último domingo durante a entrega do prêmio Emmy. E olha que no Brasil existem diversos fã-clubes nas mais diversas séries. Os Sopranos, exibido no Brasil pela HBO e pelo SBT (TV Iguaçu), conseguiu neste seu primeiro troféu de melhor série dramática da TV em seis anos no ar. Depois de ser indicada cinco vezes ao prêmio sem nenhum sucesso, a série levou o principal prêmio da Academia de Artes e Ciências de Televisão dos Estados Unidos.

Foi um triunfo esperado, assim como o de Angels of America, que arrebatou 11 Emmy, uma minissérie também veiculada na HBO sobre a aids no início dos anos 80s, tempos de Ronald Reagan. Chata e enrolada, a série é uma espécie de lobby da comunidade gay de Hollywood.

Os Sopranos era favorito também no prêmio de melhor atriz dramática com Edie Falco. Mas foi Allison Janney que levou o Emmy por West Wing (Warner). A série sobre uma família de mafiosos conseguiu os primeiros prêmios com Michael Imperioli (melhor ator coadjuvante) e Drea de Matteo (melhor atriz coadjuvante), além de encerrar a noite com o prêmio de melhor série dramática.

Na categoria comédia, a nostalgia falou mais alto sobre qualquer outro critério entre os mais de 11 mil membros da Academia com direito a voto. A organização dividiu os prêmios entre as séries que este ano se despediram da TV, pelo menos na premiação de atores.

Assim, tanto Kelsey Grammer como David Hyde Pierce, de Frasier, ganharam os Emmy de melhor ator e melhor ator coadjuvantes, respectivamente.

No caso de Sex and the City, a comédia romântica ganhou os prêmios de melhor atriz para Sarah Jessica Parker (a Carrie) e melhor atriz coadjuvante para Cynthia Nixon (Miranda). A protagonista da série sobre as balzaquianas de Nova York disse que o prêmio era “uma glória em sua vida”.

Sarah Jessica Parker desbancou Jennifer Anniston, de Friends. A série, que também terminou este ano, não levou nenhum Emmy. O balanço final de prêmios para as duas louras mais famosos das séries de TV ficou: dois Emmy para Sarah (2001 e 2004) contra um para Jennifer (2002); quatro Globo de Ouro para a atriz de Sex and the City (2000, 2001, 2002, 2004) contra um para Jennifer (2003). Justiça feita, afinal, Sarah é bem, mas bem melhor que Jennifer como atriz.

A melhor série cômica do ano foi para nas mãos de Arrested Development. Angels in America levou, ainda, os prêmios de melhor ator (Al Pacino), melhor atriz (Meryl Streep), melhor diretor (Mike Nichols), melhor ator coadjuvante (Jeffrey Wright) e melhor atriz coadjuvante (Mary-Louise Parker).