Como parte das comemorações do mês da bicicleta e das ações do evento Arte Bicicleta Mobilidade, o Música Para Sair da Bolha terá três edições em setembro. No projeto, uma iniciativa do coletivo artístico Interlux, uma série de shows acontece na rua em locais com grande fluxo de veículos em plena hora do rush.

A “Bolha” são justamente os carros, meios de transporte individuais motorizados que favorecem o individualismo, o sedentarismo e causam danos ecológicos crescentes.

Nesta sexta-feira (11), às 18h, a música é comandada pelo Real Coletivo Dub e interage com a escultura “grade sobre grade” – uma intervenção do Interlux, ao lado do Passeio Público, no centro de Curitiba.

Na performance musical, a ideia de aprisionamento ou labirinto é sugerida pela escultura: com aspecto de uma jaula, internamente é um labirinto que termina em uma bola vermelha – com o codinome de “sarampo social” – um símbolo localizador. Aqui, a música é o veículo para celebrar novas formas de ver e de re-significar o espaço público.

Juan Parada
A escultura “grade sobre grade” será palco para os músicos do Real Coletivo Dub.

O Música Para Sair da Bolha, que aconteceu pela primeira vez no ano passado, questiona o modelo de transporte centrado nos veículos e chama a atenção para as conseqüências que se refletem na vida cotidiana da população.

“Os motoristas ficam encapsulados dentro dos carros. Isso cria uma ‘bolha’ de alienação, que dificulta a interação com a cidade e com outras pessoas. A ideia é criar um espaço de convivência para mostrar que a rua pode ser mais que isso”, afirma o integrante do Interlux, Goura Nataraj.

Ainda dentro das atividades programadas para este mês, acontece no dia 22 o Dia Mundial Sem Carros, quando será realizada a Marcha das Mil Bikes. Outras ações do mês da bicicleta, como palestras e oficinas, podem ser conferidas neste site.