O escritor Cristovão Tezza venceu o Prêmio Jabuti na categoria romance com O filho eterno (2007, Editora Record). O anúncio foi feito na tarde de ontem na Câmara Brasileira do Livro, em São Paulo. O filho eterno conta a história do filho do autor, Felipe, que nasceu com síndrome de Down.

Tezza é natural de Lages, em Santa Catarina, mas mora em Curitiba desde seus 10 anos de idade, e fez daqui o cenário de boa parte de sua literatura. Ele é doutor em Literatura Brasileira, professor de Lingüística na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e já publicou dez romances, sendo que um deles (O fotógrafo) ganhou o prêmio da Academia Brasileira de Letras de melhor romance brasileiro de 2004.

Na segunda colocação do Prêmio Jabuti ficaram os romances O sol se põe em São Paulo, de Bernardo Teixeira Carvalho, e Antonio, da escritora Beatriz Bracher. Na categoria poesia, o vencedor foi Ivan Junqueira, pelo livro O outro lado.

Em contos, o primeiro lugar ficou com Vera do Val, por Histórias do Rio Negro. E na categoria reportagem quem ficou em primeiro lugar foi o jornalista paranaense Laurentino Gomes, com seu best-seller 1808, que relata a fuga da família real portuguesa para o Brasil duzentos anos atrás.

Laurentino também ganhou, pela Academia Brasileira de Letras, o prêmio de melhor livro na categoria Ensaio, Crítica e História Literária de 2008. Paranaense de Maringá, Laurentino é formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná, com pós-graduação em Administração pela Universidade de São Paulo.