A carestia chegou ao cinema brasileiro. Nunca antes na história desse país foi tão caro fazer um filme. Ficou nostálgico aquele período da retomada em que se faziam filmes com o chamado BO (Baixo Orçamento, quantias até R$ 1 milhão). Filmes médios nacionais têm hoje um custo de produção em torno de R$ 5 milhões.

E a aceleração de preços é evidente e assombrosa. O longa-metragem de direção coletiva “Rio, Eu te Amo”, da Conspiração Filmes, custaria R$ 10 milhões em 2011, segundo informação na época do então presidente da RioFilme, Sérgio Sá Leitão. Mas chega a 2013 estimando custar quase o dobro: R$ 19 milhões. É uma produção ambiciosa, 10 histórias filmadas por diretores distintos, nos moldes das franquia iniciada com “Paris, Je T’Aime”, seguida por “New York, I Love You”.

O filme que vai representar o Brasil no 63.º Festival de Berlim, em 7 de fevereiro, por exemplo, é “Flores Raras”, de Bruno Barreto, que custou R$ 13 milhões. Tem atrizes estrangeiras no elenco (a australiana Miranda Otto e a americana Tracy Middendorf, além da brasileira Glória Pires).

Segundo a produtora do filme, Lucy Barreto, que acalenta o projeto desde os anos 1990, as despesas de produção subiram “absurdamente”, e há diversas explicações. Uma delas seria a incompreensão em relação ao papel do cinema como disseminador de cultura. “Eu quero colocar música no filme, mas você não tem ideia dos preços. Querem fortunas para ceder uma música, e ainda apresentam os preços em dólar. Poderiam facilitar essas cessões, porque é assim no mundo todo. Os americanos, por exemplo, sabem que o cinema vende o país deles pelo mundo, e toda a cultura deles, por extensão.”

“Os nossos orçamentos estão quase o dobro dos argentinos e dos chilenos e mais caro do que os dos espanhóis. Daqui a pouco vai ficar mais barato pegar a equipe em Buenos Aires do que aqui. Fica quase impossível”, lamenta Lucy.

Segundo Manoel Rangel, presidente da Agência Nacional de Cinema (Ancine), a elevação de custos está em consonância com a realidade geral do País, na qual os salários cresceram e há uma escassez de mão de obra especializada. “Mas o orçamento médio ainda gira em torno de R$ 4, R$ 5 milhões”, analisa Manoel Rangel. “Não diria que há uma tendência, mas é fato que os orçamentos estão mais caros”, diz o dirigente, explicando que o Estado brasileiro nunca põe mais de R$ 7 milhões num filme, é o teto estabelecido pela lei. Ainda assim, é possível que o filme consiga mais recursos públicos, em editais. Há também mais coproduções internacionais.

O mais caro dos filmes em produção, “Amazônia, Planeta Verde”, chegou ao histórico patamar de R$ 26 milhões (mas, desse total, R$ 22 milhões são de outras fontes que não o Estado brasileiro). Outra coprodução milionária com a França é “Vermelho Brasil” (Rouge Brésil), segundo da lista dos mais caros a caminho, com R$ 19 milhões. Trata-se de um longa que também será minissérie de cinco capítulos para ser exibida na Rede Globo e numa emissora francesa. O projeto envolve Conspiração Filmes, Globo Filmes e Riofilme, além da produtora francesa Pampa Films. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

OS DEZ MAIS CAROS

Dados de 2012, fornecidos pela Ancine

“Amazônia – Planeta Verde”

R$ 26.440.767,03

“Vermelho Brasil” (TV)

R$ 19.429.497,27

“Circo Místico”

R$ 16.008.817,84

“Cidade Maravilhosa”

R$ 14.277.049,01

“O Tempo e o Vento”

R$ 13.998.533,39

“Flores Raras e Banalíssimas”

R$ 13.126.924,51

“Nó na Garganta”

R$ 13.060.561,32

“O Peregrino – A Melhor História de Paulo Coelho”

R$ 12.500.000,00

“Malês”

R$ 12.348.483,80

“Sequestrados”

R$ 12.043.289,80