Uma divertida manhã neste domingo (25) espera pelo público que comparecer ao Projeto Teatro para o Povo, em cartaz nos auditórios do Centro Cultural Teatro Guaíra. No horário das 11 horas, as cortinas do Guairão abrem-se para o bailado ?Coppélia?, apresentado pelos estudantes da Escola de Dança Teatro Guaíra; no Guairinha, ?O Cirandeiro?, teatro de bonecos dirigido por Gil Gabriel. No Miniauditório, Fábio Silvestre apresenta ?O Bêbado? e, no Teatro José Maria Santos, o Grupo Wandula dá seu recado no show musical. Entrada gratuita. Os ingressos deverão ser retirados uma hora antes das apresentações.

O Projeto Teatro para o Povo é uma ação cultural desenvolvida pelo Centro Cultural, que oferece à comunidade espetáculos da produção local independente nas áreas de teatro, música, dança e também inclui os corpos estáveis da instituição: Orquestra Sinfônica do Paraná, Balé Teatro Guaíra, Guaíra 2 Companhia de Dança e Escola de Dança Teatro Guaíra.

Espetáculos

?Coppélia?, remontagem de Lucilene Almeida sobre a obra clássica de Clément Philibert Léo Delibes, considerado o maior compositor francês de música para balé, será apresentado pelos alunos do projeto Pré-Profissional da Escola do Guaíra. O bailado é uma divertida história sobre a boneca Coppélia, criada por um bonequeiro chamado Coppélius. Um aldeão apaixona-se por ela e desperta ciúmes em sua noiva. Por conta disso ocorre uma série de confusões, mas o final é dos mais felizes, com todo o povoado dançando alegremente na praça.

?O Cirandeiro? é uma montagem para todas as idades, diz Gil Gabriel. No elenco estão o próprio Gil e Sérgio Ramos. A peça traz uma sucessão de situações inesperadas e, às vezes inusitadas, desenvolvidas ludicamente através do teatro de animação. Tem folguedos como amarelinha, esconde-esconde, jogo de pião e outros que podem surpreender os pequenos, mas têm um tom nostálgico aos adultos, que com certeza se lembrarão de suas infâncias.

Uma comédia que há quatro anos mantém-se com salas lotadas, aplaudida por cerca de 25 mil pessoas. Assim tem sido com ?O Bêbado?, escrita, dirigida e interpretada por Fábio Silvestre. O ator sobe ao palco do Miniauditório, para viver mais uma vez o sujeito sentado numa mesa de bar, que conversa com um interlocutor imaginário, a quem chama respeitosamente de doutor. A cada história que relatada, ele vive os diversos personagens ali envolvidos. Então, além do bêbado, tem o travesti Rebeca, de Bocaiuva do Sul, Paulo Peroba, ex-ator de filmes pornô e o Pastor João Jonas.

No Teatro José Maria Santos a manhã será de música com o grupo Wandula. Um dos grupos mais conceituados da cidade, o Wandula é o resultado da união de músicos e compositores vindos de diferentes formações e experiências. Em sua formação estão a cantora e compositora Edith de Camargo (suíça radicada no Brasil), vocalista e acordeonista, que traz influências de cantoras como Edith Piaf e do lied alemão, trazendo o ambiente dos shows de cabaret para os palcos; o pianista e tecladista Marcelo Torrone, que agrega elementos da música popular brasileira à sua formação erudita, mesclando principalmente o chorinho à música impressionista e minimal, com influências de Erik Satie, Ernesto Nazareth e Michael Nyman; o violonista Claudio Pimentel, o guitarrista Rafael Martins e o percussionista e baterista J.C.Branco, responsáveis pelas referências do pop/rock no grupo; o violoncelista clássico Raphael Buratto e o harpista Felipe Ayres.

A sonoridade tão particular que nasce dessa fusão baseia-se numa estrutura musical elaborada com cuidado especial nos arranjos, timbres e texturas sonoras. Tem-se como resultado é uma música sofisticada, porém, acessível. Do repertório constam canções de autoria de Edith de Camargo, que as interpreta em francês, alemão, inglês e português.