quebra041204.jpg

Bailarinos ensaiam ao som
da música de Tchaikowsky.

O Centro Cultural Teatro Guaíra estréia hoje a maior montagem do ano, um clássico de natal, o balé O Quebra-Nozes, com música de Tchaikowsky. A empresa patrocinadora, Kraft Food reservou as apresentações de hoje, 7 e 8 de dezembro, especialmente para os seus cerca de quatro mil empregados que trabalham no escritório e no Complexo Industrial de Curitiba.

O espetáculo estréia para o público no dia 10 de dezembro e fica em cartaz até o dia 19. A nova versão para o espetáculo, conduzida pelo Ballet Teatro Guaíra volta aos palcos depois de 10 anos, que também conta com o patrocínio da Bosch, por intermédio da Lei de Incentivo à Cultura. O apoio garantiu toda a produção da nova montagem, incluindo a confecção de novos figurinos e novos cenários para o clássico.

A montagem de O Quebra-Nozes faz parte das comemorações dos 30 anos da fundação do teatro curitibano e dos 35 anos do Ballet Guaíra e irá contar com a participação da Orquestra Sinfônica do Paraná, da Escola de Dança Teatro Guaíra e do Coral Nova Philarmonia. Assinada por Carla Reinecke, a nova versão levará ao palco 34 bailarinos do Ballet Teatro Guaíra, 30 alunos da Escola de Dança Teatro Guaíra e 24 vozes femininas do coral Nova Philarmonia.

História

Apresentado pela primeira vez em 1892, em São Petersburgo, O Quebra Nozes é baseado na versão de Alexandre Dumas, pai, de um conto infantil de Hoffmann, O Quebra-Nozes e o Rei dos Camundongos. A música de Tchaikowsky e a coreografia original de Marius Petipa e Lev Ivanov deram ao balé o status de clássico desde as primeiras récitas. O ocidente só veria O Quebra Nozes pela primeira vez em 1934, no Sadler?s Wells Theatre.

No Brasil, a primeira versão, em 1957, foi levada no Teatro João Caetano por Eugênia Feodorova, com Dalal Achcar no papel de Fada Açucarada. A grande popularização do balé se deu a partir da excepcional montagem da própria Dalal realizada em 1973 com participações estelares como a de Cyril Athanassoff.

O Quebra Nozes

No prólogo, vê-se a casa do conselheiro Von Stahlbaum, cuja esposa e três filhos (Clara, Louise e Fritz) preparam a festa de Natal, na sala feericamente iluminada. Crianças e convidados se divertem. O padrinho de Clara, o estranho dr. Drosselmeyer, faz mágicas para os convidados e presenteia sua afilhada com um lindo quebra-nozes em forma de soldadinho. Os irmãos, com inveja, tomam-lhe o brinquedo e o quebra-nozes é danificado.

No primeiro ato, Clara e o Príncipe viajam através de uma floresta gelada. Os flocos, metamorfoseados em criaturas vivas, dançam com o Príncipe e a Rainha das Neves.

No segundo ato, Clara chega ao Reino dos Confeitos e é apresentada pelo Príncipe à Fada Açucarada. O Príncipe conta como Clara salvou sua vida e a menina é convidada a presidir a festa em sua honra. Sentada no trono, ela vê as danças do chocolate, do chá e do café, especiarias raras no século XIX, representadas pelas coreografias espanhola, chinesa e árabe. A valsa de despedida é dançada por todos e Clara volta para casa com seu Príncipe, em meio aos ares de fantasia e sonho.