No ar há cinco anos na Rádio 96 Rock (96,3 MHz), de Curitiba, o programa RádioCaos conquistou ouvintes fiéis com uma mistura inusitada de música, poesia (e outros textos), comerciais antigos e trilhas de velhos sucessos da TV. ?Nós evitamos o que seria a fórmula óbvia para um programa de uma rádio jovem?, define um dos produtores do programa, Samuel Lago. Esse mix deu certo, tornando o RádioCaos líder de audiência entre os programas especiais da emissora.

A seleção musical também foge de todos os padrões estabelecidos. Ramones, Chico Buarque, Frank Zappa, Alvarenga e Ranchinho, Aterciopelados, Noel Rosa, Elvis Costello e Odair José são alguns exemplos de artistas que freqüentaram o playlist do programa. Os ouvintes também colaboram, enviando por e-mail músicas em arquivos MP3.

O embrião do RádioCaos foi um programa chamado 96 in Concert, que, como o nome sugere, apresentava apenas gravações de shows. Mas, após três anos no ar tocando só registros ao vivo, o programa apresentou sinais de desgaste do formato. Foi aí que Samuel decidiu chamar os amigos Rodrigo Barros e Mola Jones, integrantes das bandas Beijo AA Força e Maxixe Machine, para produzir um novo programa. Rodrigão assumiu a apresentação do RádioCaos. Neste mês, o premiado diretor, dramaturgo e produtor teatral Felipe Hirsch se juntou ao time de produtores.

Para comemorar os cinco anos do programa, Samuel, Rodrigão e Mola lançaram esta semana o novo web site do RádioCaos (www.radiocaos.com.br) e promovem amanhã, na Grande Garagem Que Grava, uma festa que incluirá um recital de poesia pop, com a presença de alguns dos maiores poetas brasileiros: os cariocas Chacal e Tavinho Paes, os londrinenses Mário Bortolotto e Gabriel Garcia Lopes e os curitibanos Rettamozzo e Ivan Justen.

Nova freqüência

Até o fim do ano, o RádioCaos poderá mudar de freqüência. O Grupo J. Malucelli, proprietário da 96 Rock, negocia com o Grupo Bandeirantes a implantação de uma afiliada da rede BandNewsFM em Curitiba. É grande a possibilidade de que a nova emissora venha a ocupar os 96,3 MHz. Nesse caso, uma nova freqüência será destinada ao público rock. ?Curitiba não vai ficar sem uma rádio rock?, aposta Samuel, que vê nessa mudança o momento oportuno para reinventar o conceito de emissora rock em Curitiba. Ele lembra que a Alternativa seguiu um modelo diferente da saudosa Estação Primeira e que a 96 também representou uma mudança.