Em entrevista exclusiva à Playboy de fevereiro, Renata Fan, a mais bela e famosa personalidade do jornalismo esportivo fala de conquistas, críticas, desavenças e futebol. Para a decepção dos fãs, ela também conta que não pensa em posar nua. Mostra ainda ser comportada até demais. Nunca ficou com jogador de futebol. Não bebe e não fuma. Além disso, concorda quando dizem que é uma mulher bonita, mas não se acha gostosa. “Acho que tenho uma beleza clássica. Difícil entender porque as pessoas me acham gostosa”, admite.

Esta gaúcha de 34 anos começou ainda na infância a entender sua vocação. “Enquanto minhas amigas se reuniam pra ouvir música, eu sentava ao lado do pai delas pra ouvir o jogo no rádio”, lembra.

Renata vê a mulher com mais dificuldade para ganhar destaque na TV do que o homem: “A estética (para as mulheres) é uma exigência da TV como um todo. Há, sim, uma preferência pelo rosto bonito, mas nenhuma mulher se mantém no ar se não tiver talento e não souber do que está falando. O requisito para os homens, na maioria das vezes, é a experiência”.

Formada em direito, Renata também estudou jornalismo e fez sua estreia na TV como assistente do jornalista Milton Neves no programa Terceiro Tempo, da Record, e, pouco depois, no Debate Bola, no mesmo canal. Hoje, com o programa diário Jogo Aberto, da Band, Renata se tornou simplesmente a primeira mulher a comandar uma mesa-redonda na TV brasileira.

Na entrevista, ela ainda comenta a sua paixão pelo futebol e o time de coração, o Internacional. “Vi o jogo da final do Mundial (de 2006) sozinha em casa. Era bem cedinho, e tenho certeza de que acordei o prédio inteiro porque fiquei sem voz de tanto gritar”, revela. Renata não deixa de dar sua opinião sobre a gestão do presidente da CBF, Ricardo Teixeira: “Acho que o povo brasileiro é que tem de questionar esse tipo de coisa. Se a população não está satisfeita com a CBF, vai ter de fazer o mínimo para poder mudar a realidade.”

Sobre sexo, Renata também tem uma opinião segura: “Eu acho que o sexo tem de ser uma coisa batalhada. Prefiro saber que o cara teve muita dificuldade a ir para a cama na mesma noite”. Mas ela tem namorado, Átila Abreu, que é piloto de stock car. Admite, inclusive, não sofrer por causa de ciúme: “As mulheres podem dar em cima, podem aparecer, se mostrar, mas é uma decisão do homem”.