shell090305.jpg

Eva Wilma elogiou Renato.

São Paulo  – A classe teatral saiu em defesa da Lei Municipal de Fomento durante a 17.ª edição do Prêmio Shell de Teatro, anteontem no restaurante Chakras, em São Paulo. ?É uma pena que programas fantásticos de apoio ao teatro, como o de fomento, tenham sido relegados?, disse o diretor José Renato, homenageado da noite. ?Espero que consigamos reverter essa situação e mostrar ao País o valor da cultura. Se a Shell, uma entidade privada, reconhece, por que o governo, que tem a obrigação, não reconhece??, completou, sob palmas.

Para homenagear José Renato, Eva Wilma foi quem subiu ao palco e despejou elogios ao colega, que, segundo ela, foi seu grande incentivador na carreira artística. Marília Pêra venceu na categoria de melhor atriz por sua atuação em Mademoiselle Chanel. ?A gente vai ficando mais velha, mas sempre é uma alegria ganhar um prêmio.?

Cada premiado ganhou uma escultura em metal dourado, com a forma de uma concha, do artista plástico Domenico Calabroni, além de R$ 8 mil.

Os Premiados:

AUTOR:
Newton Moreno (Agreste)

DIREÇÃO:
Cristiane Paoli-Quito (Aldeotas)

ATOR:
Luís Damasceno (O Mercador de Veneza)

ATRIZ:
Marília Pêra (M. Chanel)

CENÁRIO:
Ilo Krugli (Bodas de sangue)

FIGURINO:
Fabiano Machado (transex)

ILUMINAÇÃO:
Lucia Chedieck (Tauromaquia)

MÚSICA:
Wanderley Martins, Caíque Botkay e João Poletto (Bodas de sangue)

CATEGORIA ESPECIAL:
Cia. Livre, pelo projeto Arena Conta Arena 50 anos

HOMENAGEM:
José Renato (pela contribuição constante ao teatro brasileiro)