Só um templo como o Maracanã, o maior estádio do mundo e que já presenciou grandes espetáculos esportivos para receber uma festa do tamanho do talento de Ivete Sangalo e com o prestigio que ela tem em todo Brasil. O Show que teve no slogan intitulado "Todo mundo vai" reuniu quase 60 mil pessoas no Estádio e fez a musa baiana se sentir em casa, já que foi gente de todo o Brasil. Bem antes das 17hs, horário que os portões foram abertos, excursões vindas de Minas Gerais, Curitiba, Brasília, Recife, Salvador, Fortaleza, Goiás e de vários outros estados chegavam ao local para fazer a festa. Na platéia, além dos anônimos uma lista enorme de famosos que fizeram questão de conferir de perto o novo trabalho da musa. Além do estrelado elenco global com nomes do tipo de Mariana Ximenes, Cléo Pires, Carolina Dickeman, Thiago Lacerda e Grazi Massafera, até cantores do gabarito de Maria Rita e Beth Carvalho compareceram. As jogadores de vôlei Fernanda Venturini e Virna e vários jogadores de futebol também bateram ponto por lá. Com o público garantido, por volta de 21h40 Ivete entrou no palco para começar o seu show.

E que show! Comportando-se como uma musa, apareceu pilotando uma moto em cima do palco que dava impressão de pegar fogo, vestida no estilo de mulher gato, levou a galera ao delírio com uma seqüência empolgante de "Abalou", "Festa", "Sorte Grande" e "Não quero dinheiro". Utilizando novos arranjos feito pela excelente Banda do Bem, Ivetinha parou para agradecer pela presença maciça e comentou a emoção de encher o Maracanã. Daí emendou, "Carro Velho" e "Empurra Empurra", antes de chamar o primeiro convidado.

Os convidados de Ivete foram um detalhe a parte. No primeiro MTV AO VIVO, ela já tinha ressaltado que convidou para dividir o palco com ela, amigos de verdade e pessoas que conhecem muito de música. No Rio, o primeiro a dividir os vocais foi Samuel Rosa do Skank, no dueto da música "Não vou ficar não", depois com Saulo na inédita composição do cantor da "Banda Eva" e de Gigi, integrante da Banda do Bem, "Não precisa mudar". Com Durval Lelys, o Maracanã "arreou" legal e os dois reviveram o mega-hit "Bota pra ferver". Falando em espanhol, chamou Alejandro Sansz e defenderam "Corazion Partido" lindamente e para encerrar deixando os cariocas extasiados, o rap Buchecha mandou ver nos funks "Nosso Sonho" e "Conquista", além de "Poder", que faz parte do álbum "As Super Novas".

Ivete ainda cantou "Pererê", "Canibal", "Flor do reggae","Então não me conte seus problemas", "A galera", "Chorando se foi", "Céu da boca", "Tiete do chiclete (obviamente com a letra alterada para "Tiete da Ivete), "Eu sei que vou te amar", "Quando a chuva passar", "Berimbau Metalizado" e "Arerê" e trouxe novidades como "Ilumina", "Dengo de Amor", "Preta", lambada famosa na voz de Beto Barbosa, "Eu sei que vou te amar", "Deixo" e "País tropical".

Com ideal de megashow desde o palco ao figurino, foram cinco trocas de roupas, tudo era grande na festa. Mas foi a sutileza de Ivete nas pequenas coisas que fez da noite inesquecível. Dirigido e idealizado por ela, Ivete no Maracanã, por muitas vezes deixou fãs e público boquiabertos. Na parte romântica da apresentação, surgiu trajando um belo vestido branco, sentada em cima de um piano acompanhada de Radamés Venâncio, para cantar o sucesso da novela das sete, "Quando a chuva passar". Depois subiu numa espécie de guindaste e foi para o meio do povo, com "Se eu não te amasse tanto assim" e "Eu sei que vou te amar". Ovacionada pelo público, não resistiu e caiu no choro. Ao agradecer as pessoas que a ajudaram a construir a gravação, Ivetinha citou o nome de muita gente, do camareiro ao motorista. Não segurou as lágrimas de novo e chorou copiosamente. Dedicou todo o trabalho, especialmente ao produtor e amigo Dito e o namorado, Marcos Braga.

Mas emoção era o principal ingrediente da festa. No meio do dueto com o cantor Buchecha, uma pane geral no som interrompeu a música. Ivete deixou o palco e retornou alguns minutos depois, indicando através de gestos que precisa de mais dez minutos. Após mais um tempo, reuniu a banda e os dançarinos no centro e fez uma oração. O som voltou ao normal e o show seguiu impecável para seu encerramento.

E ainda teve direito a BIS, com "To na rua", "Mega Beijo", "Sá Marina" e não podia faltar a Piriguete Sangalo em "Pirimpompom". Nos erros Ivete se superou e teve o povo em suas mãos. Eram 60 mil pessoas gritando seu nome, se declarando, preparando as imagens que ela pretende levar para o mundo. Nos acertos ela foi brilhante. Tem tudo para ser mais um sucesso que vai lhe gabaritar muito mais sucesso nos próximos anos. Mostrou-se como uma verdadeira rainha e diva.

Os jornais de todo o país e vários do mundo noticiaram em exaustão detalhes da festa, o show e os jornalistas mostram-se impressionados com o potencial da cantora em produzir um evento desse porte no Brasil. Realmente uma festa que merece ser aplaudida de pé, do jeito que Ivete é, especial e merecedora de tudo que vem alcançado. Esta já garantiu um final de ano maravilhoso!