Arquivo / O Estado
Arquivo / O Estado

Quase metade dos acidentes que o Batalhão de Polícia de Trânsito da Polícia Militar do Paraná atende em Curitiba envolve motocicletas. O dado foi revelado nesta terça-feira (22) pelo comandante do BPTran, tenente-coronel Irineu Ozires Cunha, durante o Seminário sobre a Regulamentação da Profissão de Motofrete, popularmente chamados de motoboys. O debate foi realizado na Câmara Municipal de Curitiba, durante discussão de projeto de lei que regulamenta a profissão. ?Nossas sugestões são de inserir itens que façam aumentar a segurança desses profissionais?, disse o coronel.

O coronel Ozires mostrou estatísticas do número crescente de acidentes envolvendo motociclistas e que demonstram a preocupação da Polícia Militar com a conscientização dos profissionais que usam estes veículos para trabalhar. De acordo com dados do BPTran, 7% da frota de veículos em Curitiba é de motos. Dos 891.483 veículos registrados na capital, 65.585 são motocicletas. De janeiro a setembro deste ano, período da análise feita pelo comandante, foram registrados 2.940 acidentes envolvendo motos, representando 40% dos acidentes que o BPTran atendeu.

Números ? Os dados são preocupantes, como fez questão de ressaltar o comandante do BPTran. Conforme a estatística, 59,2% dos acidentes acontecem na área central de Curitiba e 58,4% são registrados em cruzamentos. Em 70,8% dos casos, os condutores estão em pista seca. Os acidentes em pista úmida somaram 16,7% e em pista molhada, 12,5%. O BPTran também concluiu, na análise, que em 70,5% dos acidentes, as condições de conservação da pista eram boas. ?E um dos dados que sugere que a maioria dos acidentes envolve motoboys é que, em 66,8% dos casos, as motos são de 125 cilindradas, as mais usadas por esses profissionais?, disse o coronel Ozires.

O coronel Ozires defendeu a importância de os condutores fazerem curso de direção defensiva, porquê a imprudência foi responsável por 54% dos acidentes atendidos pelo BPTran, do início do ano até agora em Curitiba. ?O próprio batalhão já oferece este tipo de treinamento?, observou. Além do coronel Ozires, participaram do debate, compondo a mesa, os vereadores autores do projeto de lei, Felipe Braga Côrtes e Mario Celso Cunha, o diretor do Detran, Marcelo Almeida, o diretor da Diretran, coronel Gilberto Foltran e o advogado Marcelo Araújo. Representantes de empresas, dos motoboys e pessoas interessadas também puderam dar sugestões.