A retificação da prestação de contas de campanhas que o PT deverá fazer na Justiça Eleitoral para regularizar os recursos tomados e não contabilizados pelo ex-secretário nacional de Finanças e Planejamento do partido Delúbio Soares poderá servir de base para a cobrança judicial da dívida de R$ 93 milhões que o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza diz ter com a legenda. O comando da sigla anunciou que não pretende pagar o débito cobrado por Valério porque não há documentos oficiais comprovando-os.

"Não existe contrato porque os recursos foram repassados em confiança. Há, entretanto, os comprovantes de retiradas e a confissão de dívida do próprio tesoureiro (Delúbio), que tem efeito de prova", afirmou o advogado do empresário, Marcelo Leonardo.

"Além disso, quando o PT regularizar a prestação de contas, o empréstimo ficará comprovado", acrescentou.

Segundo Leonardo, o valor do débito é de R$ 55 milhões, mas, com a aplicação de juros e correção monetária, o montante estaria em cerca de R$ 93 milhões neste mês.