A cidade de Laranjeiras do Sul quer se transformar na capital paranaense da agroecologia. Essa é a intenção do prefeito Berto Silva e de cem agricultores da cidade que, desde esta terça-feira (24) estão no Centro Paranaense de Referência em Agroecologia, em Pinhais, para aprender as técnicas que permitem fazer a conversão da agricultura convencional para a produção de alimentos orgânicos, que são cultivados sem a utilização de agrotóxicos.

Os agricultores foram recebidos na noite desta segunda-feira (23) pelo governador Roberto Requião e pelo secretário da Agricultura e do Abastecimento, Orlando Pessuti.

Requião lembrou aos produtores que o Paraná é um dos líderes na produção de orgânicos no país ? em especial com o café, cana-de-açúcar e verduras ? e que o Estado pretende incentivar o cultivo de alimentos sem o uso de venenos, em especial nas pequenas e médias propriedades. ?A produção de orgânicos pode garantir a sobrevivência dos agricultores contra o avanço da monocultura e dos grandes produtores e ainda representa melhor qualidade nos alimentos para os consumidores. Ou seja, é bom para quem planta e também para quem consome?, afirmou Requião.

Na próxima sexta-feira (27), o governador participa em Cascavel do 4º Encontro de Agroecologia, que vai reunir cerca de seis mil agricultores familiares, camponeses, técnicos do setor e estudantes universitários.

Negócios

O prefeito Berto Silva explica que o maior interesse dos produtores de Laranjeiras do Sul é nas técnicas de produção de leite orgânico e, também, em mel, verduras e ervas medicinais. Hoje, o município produz 3,5 milhões de litros de leite por mês. ?Vamos montar um portal nas margens da BR-277 para que os agricultores possam vender sua produção e estamos negociando a instalação de um laticínio na região para a produção de derivados do leite orgânico?, adiantou.

O secretário de Agricultura, Orlando Pessuti, lembrou que o espaço para os produtos orgânicos vem crescendo no Brasil, em paises da Europa e no Japão. ?Foi por isso que criamos no ano passado a fazenda modelo. Ela ocupa 1.500 hectares ao longo da área de proteção ambiental da Represa do Iraí, e tem como missão promover a educação ambiental tendo como metas prioritárias gerar conhecimentos científicos e tecnológicos voltados sempre à agropecuária orgânica?, explicou.

O agricultor Erno Pedro Qnob, que produz até quatro mil litros de leite por mês numa área de 20 alqueires na localidade de Rio Verde, explica que sua intenção é aprender técnicas que permitam a instalação de uma pastagem mais saudável para o gado e, com isso, ele pretende baratear os custos da produção, aumentando os ganhos da família. ?Evitando usar venenos, vamos poder produzir com mais qualidade e com um custo muito menor?, explica.

Há três anos o produtor Darci da Silva optou pela produção de leite orgânico. Ele conta que hoje a produção média de leite na propriedade cresceu e o preço do produto pago pelos laticínios também. ?É uma opção vantajosa pra os produtores. O leite que eu vendia por R$ 0,50 hoje vendo por até R$ 0,70 o litro. E agora estou buscando formas de produzir os derivados do leite orgânico?, disse.

Centro

O coordenador do Centro Paranaense de Referência em Agroecologia, Airton Brizola, explicou que a fazenda modelo foi criada em março do ano passado. ?Nossa meta é dar suporte ao desenvolvimento e viabilização da agricultura orgânica e agroecológica no Paraná e nossos principais objetivos são o de gerar conhecimento técnico-científico, promover treinamento e realizar a conversão das áreas das instituições parceiras para a produção orgânica de alimentos?, afirma.

Só no ano passado, cerca de 600 agricultores conheceram as experiências desenvolvidas no Centro. Neste ano, além dos agricultores de Laranjeiras do Sul, produtores de Maringá e de Tibagi devem visitar as instalações.