São Paulo – O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), pré-candidato a presidente, negou hoje que planeje desvincular a própria campanha do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, caso venha a ser escolhido pelo partido para disputar a Presidência da República. Segundo Alckmin, Fernando Henrique foi um marco da política brasileira e as realizações obtidas por ele devem ser usadas como ponto de partida para um eventual mandato.

"O presidente Fernando Henrique foi um marco na política brasileira, o homem que fez a engenharia do real, que conseguiu a estabilidade da moeda. O País está em outro patamar, mas é a partir deste patamar que temos de avançar", disse o governador de São Paulo, que participou hoje da missa para o lançamento da Campanha da Fraternidade.

As declarações de Alckmin foram feitas em referência à notícia publicada hoje pelo jornalista Josias de Souza, do jornal "Folha de S.Paulo", que afirmou que ele teria admitido a interlocutores a vontade de não associar a imagem à de FHC, mas sim aproveitar a ligação com o governador Mário Covas, que morreu em 2001. Apesar de insistir que as afirmações sobre o ex-presidente não têm "a menor procedência", o governador reconheceu que pretende tirar proveito do relacionamento com Covas na campanha. "É natural", disse.