O presidente da Câmara, Aldo Rebelo, voltou a afirmar que deve discutir com os líderes e com o presidente do Senado, Renan Calheiros, um calendário de votações para o período das campanhas eleitorais. Ele admitiu, no entanto, que o Congresso já está sentindo os efeitos das eleições. "Principalmente nesta semana, com a realização das convenções estaduais e nacionais, houve interferência no Congresso, não apenas no quorum, mas também na disputa que se realiza entre os partidos, que é natural da democracia", disse.

Aldo afirmou que busca um acordo entre o governo e a oposição para votar as matérias que obstruem a pauta do Plenário. Segundo ele, a troca de acusações entre os líderes não resolve o problema da Câmara. "Oposição e governo têm suas razões para essa disputa, mas, além delas, há as razões da população e as razões do País, e é em torno dessas que é possível buscar o acordo que permita a votação de matérias relevantes para a população", disse.

CPMI das Sanguessugas

Questionado sobre a possibilidade de parlamentares investigados pela CMPI das Sanguessugas serem cassados em 2007, quando começa a próxima legislatura, Aldo disse que é preciso aguardar as investigações da comissão e do Ministério Público e que não há por que emitir juízo de valor sobre o calendário dos julgamentos antes da conclusão dos trabalhos da CPMI.