O presidente em exercício e ministro da Defesa, José Alencar, disse hoje que não pretende deixar o PL, apesar de ter recebido com satisfação o convite para retornar ao PMDB. "Nós podemos perfeitamente. Desde que o motivo seja o Brasil, eu estarei ao lado do PMDB. Nós podemos perfeitamente marchar juntos. Somos partidos com grande afinidade. Eu não tenho nenhum projeto de abandonar o meu partido, de forma alguma", afirmou Alencar.

O convite foi feito pela bancada do PMDB de Minas Gerais, que se encontrou ontem (23) com o presidente em exercício no Palácio do Planalto. José Alencar foi eleito senador pelo partido em 1988.

O presidente em exercício disse também que não vai concorrer ao governo de Minas Gerais nas eleições de 2006. "Eu não estou pensando em eleição. Estou pensando em tentar fazer alguma coisa. Nós estamos no governo, e tem tanto trabalho para fazer. Estamos preocupados com o dia-a-dia e não estamos pensando em eleição", afirmou.

José Alencar presidiu hoje a solenidade de entrega da Ordem do Mérito da Defesa e da Medalha da Vitória na Base Aérea. Criada em junho de 2002, a Ordem do Mérito da Defesa é concedida a civis e militares brasileiros ou estrangeiros que tenham prestado contribuição importante às Forças Armadas brasileiras.

A segunda condecoração, a Medalha da Vitória, foi criada em março de 2004. Ela é concedida a militares, civis, policiais, bombeiros, organizações militares e civis que tenham divulgado os feitos da Força Expedicionária Brasileira (FEB) durante a Segunda Guerra Mundial, defendido o país em conflitos internacionais, participado de missões de paz e apoiado o Ministério da Defesa na execução de suas missões constitucionais.

Entre os que receberam a medalha da Vitória, estavam o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e os ministros das Comunicações, Eunício Oliveira, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, dos Transportes, Alfredo Nascimento, e do Esporte, Agnelo Queiroz. No total, 276 pessoas foram agraciadas.