Aloísio começou 2007 com tudo. Os dois gols marcados contra o Sertãozinho, na vitória por 3 a 1 na estréia do São Paulo no Campeonato Paulista, são um indício de que o ano promete. O atacante, de 1,88m e 86 quilos, quer compensar o que foi a temporada passada, quando sofreu muito com contusões e se desgastou com uma pendência jurídica com o Atlético-PR. Agora, se preocupando apenas em jogar futebol, ele quer superar a marca de dez gols que fez em 2006

Diferentemente da maioria dos atacantes, Aloísio não se sente na necessidade de ser artilheiro, de sempre estar entre os principais goleadores dos campeonatos. "Não tenho esse tipo de vaidade. Se puder fazer gols, ótimo. Mas, independentemente de quem marcar, o melhor é sempre o São Paulo vencer. Espero poder ajudar mais o time neste ano", garantiu o grandalhão, que tem como melhor recordação o passe para o gol de Mineiro na final do Mundial de Clubes contra o Liverpool, em dezembro de 2005

Segundo o técnico Muricy Ramalho, o novo esquema tático do São Paulo favorece Aloísio. Isso significa que o torcedor são-paulino vai se acostumar com o camisa 14 balançando mais vezes as redes adversárias. "Antes, ele jogava enfiado entre os zagueiros, sozinho. Funcionava muito mais como um pivô", explicou o treinador. "Agora ele não precisa sair da área. Com certeza será mais servido tendo o Borges, o Hugo e o Leandro por ali.

Foi o que aconteceu no jogo contra o Sertãozinho, na quinta-feira. Nos dois gols, Aloísio estava dentro da área. Ou melhor, na pequena área. No primeiro, só foi preciso empurrar a bola pra dentro depois do lindo passe de letra de Hugo. No segundo, subiu sozinho para cabecear ao receber cruzamento de Leandro

"Ele tem um porte avantajado e sabe usar o corpo muito bem. Nenhum zagueiro consegue tirar a bola dele com facilidade. E isso é importante", comenta o meia Hugo.