Por solicitação do procurador regional eleitoral do Rio, Rogério Nascimento, a Polícia Federal (PF) instaurou inquérito policial para investigar o ex-chefe de Polícia Civil e atual deputado estadual Álvaro Lins (PMDB-RJ). Ele é suspeito de envolvimento com a chamada máfia dos caça-níqueis e de cometer crime eleitoral durante a última campanha.

Em dezembro a Procuradoria da República do Rio denunciou 43 pessoas por envolvimento com a máfia dos caça-níqueis. Deixou de incluir o ainda não empossado deputado Lins por falta de provas. Na semana passada, Nascimento solicitou oficialmente à PF a instauração de uma investigação específica sobre o ex-chefe de polícia.

Entre os denunciados pela Procuradoria da República estão policiais civis ligados a Lins, que também trabalhavam para Rogério Andrade, que comandava uma das principais máfias de caça-níqueis na cidade.

O pedido do procurador abrange também a apuração de possíveis crimes eleitorais, como a promessa feita aos excedentes do concurso para investigador da Polícia Civil de assegurar o seu aproveitamento em cargos no serviço público estadual, em troca dos seus votos e de seus familiares.