O traficante Anderson Gonçalves dos Santos, o Lorde, será mantido isolado dos demais presos na cadeia, pois está jurado de morte por traficantes de diversas facções criminosas. Ele é apontado como autor da ordem para queimar o ônibus da linha 350, em novembro, que deixou cinco mortos. O chefe de Polícia Civil, Álvaro Lins, disse que ele não terá regalia na prisão, mas vai ficar numa cela separada. Lorde nega participação no crime, mas a polícia não tem dúvidas de que foi ele o mandante do crime – o traficante foi reconhecido por várias testemunhas.