Aposentados de todo o país esperam uma definição do governo sobre o pagamento das perdas referente ao valor dos benefícios no período de 1994 a 1997. Segundo o presidente da Associação Nacional dos Aposentados e Pensionistas, João Inocentini, a possibilidade de um acordo com o governo fez cair em 50% o número de ações para a revisão desses benefícios. ?Os aposentados estão aguardando. O que adianta eu entrar na Justiça e depois ter que desistir da ação?, pergunta.

Inocentini pediu ao ministro da Previdência Social, Amir Lando, que o anúncio das correções seja feito somente na semana que vem, por conta de um seminário realizado nesta semana com a participação de aposentados. A resposta de Lando, de acordo com o sindicalista, deve sair amanhã.

Na última reunião entre aposentados e o governo, ocorrida no dia 3 deste mês, Amir Lando informou que, até agora, já foram gastos com ações judiciais cerca de R$ 900 milhões. Segundo o ministro, esse dinheiro deveria ser usado no pagamento das correções das aposentadorias.

Lando declarou que já existe um consenso entre as partes de que a correção das aposentadorias seja feita neste ano, mas que o projeto deve ser analisado ainda pelos ministérios do Planejamento e da Fazenda e pela Casa Civil. Até a última reunião, o governo ainda não tinha apontado as fontes de pagamento.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve anunciar, nos próximos dias, como será feito o pagamento aos mais de 1,8 mil aposentados e pensionistas que têm direito à correção. Segundo os cálculos da Previdência, o valor da dívida chega a R$ 12,3 bilhões para o pagamento dos atrasados e mais R$ 2,3 bilhões por ano para a correção dos benefícios.